Menu
SADER_FULL
terça, 2 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

IBGE: gastos com construção sobem 0,62% em março

5 Abr 2007 - 10h54

O Índice Nacional da Construção Civil, calculado pelo IBGE em convênio com a Caixa Econômica Federal, registrou variação de 0,62% em março, ficando 0,21 ponto percentual acima de fevereiro (0,41%).

Segundo o IBGE, este resultado foi pressionado pelos reajustes salariais ocorridos na Bahia e no Rio de Janeiro, sendo este, o mais elevado desde junho do ano passado. No ano, o índice acumula variação de 1,30%. Nos últimos 12 meses a variação é de 5,51%. Já na comparação com março de 2006 (0,20%) o índice atual (0,62%) avançou 0,42 ponto percentual.

O custo nacional por metro quadrado passou de R$ 574,85 (em fevereiro) para R$ 578, 40, sendo R$ 334,27 relativos aos materiais e R$ 244,13 à mão-de-obra. A parcela dos materiais aumentou 0,38%, 0,11 ponto percentual abaixo da variação registrada em fevereiro (0,49%). A mão-de-obra avançou 0,66 ponto percentual, passando de 0,29% (fevereiro) para 0,95% (março).

No acumulado do ano, foram observadas as seguintes variações: 1,18% (materiais) e 1,46% (mão-de-obra). Nos últimos 12 meses, 4,18% (materiais) e 7,37% (mão-de-obra).

Em março, os maiores índices regionais ficaram com o Nordeste (1,11%) e Sudeste (0,62%), resultados influenciados pelos estados da Bahia e Rio de Janeiro, respectivamente.

As demais variações regionais ficaram abaixo do índice nacional (062%): Sul e Centro-Oeste (0,26%) e Norte (0,14%). A região Nordeste registra ainda os acumulados mais elevados no ano (2,17%) e em doze meses (6,79%). Os custos regionais foram: R$ 615,89 (Sudeste); R$ 571,55 (Sul); R$ 563,89 (Norte); R$ 547,30 (Centro-Oeste) e R$ 541,19 (Nordeste).

Rio de Janeiro e Bahia, com variações muito próximas, registraram as maiores altas em março.

Devido aos reajustes salariais das categorias profissionais da construção civil, o estado do Rio de Janeiro registrou o maior índice mensal (2,85%) seguido bem de perto pela Bahia (2,84%). As menores variações ocorreram em: Roraima (0,04%), Amazonas e Distrito Federal (0,08%) e Pará (0,09%).

No ano, o maior acumulado ficou com o estado do Piauí (4,15%) e nos últimos doze meses com o Amapá (9,16%).

 

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados