Menu
SADER_FULL
segunda, 1 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

IBGE: 90,6% das mulheres realizam afazeres domésticos

17 Ago 2007 - 10h07

No país, 109,2 milhões de pessoas, de 10 anos ou mais de idade, declaram exercer atividades domésticas, aponta a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 2001 e 2005. O levantamento, divulgado nesta sexta-feira, afirma que as mulheres têm um percentual de participação em afazeres de casa de 90,6% (71,5 milhões), enquanto 51,1% (37,7 milhões) dos homens realizam esse tipo de tarefa.

A menor participação dos homens foi observada no nordeste, onde 46,7% realizam atividades domésticas. No sul, foi registrada a maior taxa do sexo masculino, 62%. Segundo os pesquisadores, a explicação para esta participação um pouco mais baixa dos homens nordestinos nos afazeres domésticos pode estar ligada aos aspectos culturais locais, que valorizam o "machismo" já que existe uma correlação positiva entre a realização dessas tarefas e o sexo feminino.

São os homens de 60 anos ou mais de idade que dedicam parte do tempo em afazeres domésticos , 13 horas semanais. Já as mulheres, a partir dos 50 anos, são as que mais consomem tempo, 31 horas semanais, cerca de três vezes mais do que os homens. Já em termos absolutos, é a população adulta de 25 a 49 anos, que mais realiza afazeres domésticos.

A PNAD destaca que os afazeres de casa constituem um grupo de atividades predominantemente femininas. As meninas desde cedo são orientadas para o exercício do trabalho doméstico, cerca de 83% delas realizam tais afazeres, enquanto que entre os meninos a proporção é de 47,4%, O tempo despendido diferencia significativamente entre os sexos: meninos 8,2 e meninas 14,3 horas semanais.

As crianças e adolescentes, com idade entre 10 e 17 anos, que deveriam dedicar a maior parte do tempo à escola, tiveram uma parcela significativa no grupo de realização de atividades em casa. Apesar das meninas terem menos tempo para o lazer e o estudo, o rendimento delas na escola tem sido melhor do que o dos meninos. A pesquisa ressalta que um forte argumento seria a entrada precoce dos meninos no mercado de trabalho, com um percentual de 28,6%, já 18% das meninas começam a trabalhar fora mais cedo.

No Brasil, a cor/raça mostrou-se como uma variável de pouca influência na condição de cuidar ou não de afazeres domésticos, 36, 3 milhões de mulheres brancas se dedicam aos afazeres domésticos, já 34, 6 milhões de negras e pardas fazem o mesmo. Verificou-se que as mulheres de cor preta e parda investem mais tempo no cuidado de atividades domésticas (25,7) do que as brancas (24,9).

A menor participação está entre o grupo menos escolarizado 67,9%. De acordo com a jornada média em afazeres domésticos, o que se verifica é uma maior intensidade deste trabalho para a população com até quatro anos de estudo, 21,8 horas semanais. Pessoas com 12 anos ou mais de estudo se dedicam menos tempo a essas tarefas.

A PNAD mostrou alguns aspectos da desigualdade de gênero no âmbito da família no que se refere à realização do trabalho doméstico. Na sociedade este serviço ainda se constitui uma tarefa das mulheres, embora a pesquisa mostre um pequeno aumento da participação masculina nessas atividades, principalmente entre os mais velhos.

O IBGE também diz que não se observou um compartilhamento das atividades domésticas das mulheres com os cônjuges, pelo contrário, fatores reforçam essa desigualdade de gênero, como a baixa participação dos meninos no trabalho doméstico, ou seja, desde cedo se constrói a idéia de que o trabalho doméstico é uma tarefa para as mulheres.

O objetivo da PNAD é analisar as informações de jornada de trabalho para que se possa compor um número aproximado do tempo gasto nessas atividades e a disponibilidade para outras atividades como lazer e estudos. A pesquisa, com informações coletadas de pessoas de 10 anos ou mais de idade, serve de base para as funções sobre trabalho não remunerado e gênero.

 

 

 

Conjuntura Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados
EPICENTRO DA COVID-19
Brasil aproxima de 30 mil mortes pela Covid-19
MEMORIAL
Os brasileiros que perderam a vida na Pandemia do Coronavírus