Menu
SADER_FULL
segunda, 12 de abril de 2021
Busca
Brasil

Homem é assaltado, amarrado e morto asfixiado em Corumbá

23 Set 2004 - 10h05

Um homem foi vítima de assalto em sua residência e morreu por asfixia, após ser amarrado com um lençol em seu pescoço na cabeceira da sua cama, na cidade de Corumbá distante 420 quilômetros de Campo Grande.

 

João Ramos Soares, de 38 anos, foi encontrado sem roupas, amarrado a cama e com um lençol em seu pescoço. O local foi revirado pelos ladrões. O fato aconteceu na Alameda Eliana Dati, na Vila Popular Nova, por volta das 12h, dessa quarta-feira. A polícia está investigando o caso e não soube informar o que foi levado da residência.

 

A irmã da vítima que mora na região, foi a casa de Soares e encontrou o corpo. Ela acionou a polícia, que foi a residência e contou que diariamente Elizandro Eduardo Silva, de 20 anos e seu irmão apenas identificado como Alessandro freqüentavam a casa de seu irmão.

 

Elizandro foi detido e encaminhado para a Delegacia de Polícia para prestar depoimento, segundo informações da Polícia Militar.

 

 

RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV