Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 24 de fevereiro de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Grazielle Machado reclama a falta de pediatras em Unidades de Saúde

12 Mai 2011 - 14h11Por Assessoria

A crise médica que atinge o país, sem distinguir classes sociais e tendo como vítimas as crianças, tem-se agravado a cada dia em Campo Grande. A falta de pediatras, somada à alta demanda infantil por atendimento, tem resultado em um caos histórico no setor, especialmente nas Unidades de Saúde atendidas pelo Sistema Único de Saúde. Preocupada, a líder do Partido da República, vereadora Grazielle Machado criticou a ausência de especialistas em unidades de saúde do município que deveriam ser 24 horas.

Segundo a parlamentar, o transtorno em relação à falta de especialistas em pediatria se torna mais evidente nesta época do ano, com o início das baixas temperaturas, fato que aumenta em até 40% a demanda por consultas infantis. Na região do Grande Tiradentes, com a sobrecarga do Centro Regional de Saúde, Dr. Antônio Pereira, que deveria ter um profissional especializado em pediatria à disposição 24 horas, as mães vem sofrendo com a falta de atendimento.

“Não há profissionais durante todo o dia. Nossa alternativa é aguardar o pediatra que dá plantão no período noturno, quando ele vem, ou pegar dois ônibus com o filho doente para tentar o atendimento no Posto 24 horas do Coronel Antonino”, desabafa a dona de casa, Katiusha Assunção que é mãe de uma criança de dois anos e um bebê de 20 dias.

Na região da Vila Nhá Nhá, a situação não é diferente. “Não temos médicos, esperamos mais de sete horas para que nossos filhos sejam atendidos”, lamenta a estudante Vanusa Cabral. Ela é mãe de Eros de quatro anos, que na última quinta-feira aguardou por sete horas e meia, um especialista em pediatria na unidade de saúde da Vila Almeida. “O médico que deveria iniciar o atendimento às 19h, iniciou apenas às 23h30 e saí de lá às 2h45 de madrugada com o filho febril. É uma situação para deixar qualquer mãe indignada”, reclama.

“É inadmissível, que nós, enquanto representantes da população campo-grandense, façamos vista grossa para a situação caótica da saúde em nossa cidade. Com saúde não se brinca, mas nós sabemos que os problemas da saúde não são apenas de Campo Grande por isso não adianta cobrar só da gestão municipal, e sim exigir união por parte também dos governos estadual e federal. Não basta apenas apontar os culpados, mas unir forças para resolver o problema”, pontuou a parlamentar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALÔ NAÇÃO RUBRO-NEGRA
VÍDEO: 'Jorge' o Urubu queridinho de Culturama viraliza nas redes sociais da Nação Rubro-Negra
LOCKDOWN
Com explosão de casos de covid, e 14 deputados infectados A. Legislativa volta a fechar as portas
BRASIL - 248.529 MORTES
Covid-19: Brasil registrou 62.715 infectados em 24 horas
SONAMBULA
Fisioterapeuta cai de janela de hotel após crise de sonambulismo
300TÃO
PEC da retomada do auxílio emergencial de R$300 deve ser votada na quinta-feira pelo Senado
SURTO DE COVID
Prefeito pede socorro nas redes sociais: 'Me ajude, pois sozinho eu não dou conta'
REPORTAGEM DO FANTÁSTICO
Delegada trocava favores e falava informalmente com Padre Robson: 'oi, sumido'
AFOGAMENTO
Mulher que não sabia nadar tenta ajudar marido e casal desaparece em rio
GasolinaIra SALVE-SE QUEM PUDER
Petrobras anuncia reajuste de 10,2% na gasolina e de 15% no diesel
CRIME DETALHADO
Assassino amarrou, espancou e degolou empresária por dívida de R$ 1,4 mil