Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 20 de maio de 2024
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Busca
Brasil

Governo sobe valor máximo do "Minha Casa, Minha Vida"

2 Fev 2011 - 14h47Por Folha Online

O Conselho Curador do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) decidiu elevar nesta quarta-feira o preço máximo dos imóveis novos e usados enquadrados no programa "Minha Casa, Minha Vida". O teto para imóveis localizados nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal passou de R$ 130 mil para R$ 170 mil, informou a assessoria do Ministério do Trabalho e Emprego, após reunião do Conselho, em Brasília.

Nas demais capitais, o valor máximo do imóvel dentro do programa foi elevado de R$ 100 mil para R$ 150 mil.

Para municípios com população a partir de 250 mil habitantes ou integrantes de regiões metropolitanas, o valor máximo passará de R$ 80 mil para R$ 130 mil.

Outra mudança acertada foi a elevação do valor máximo para cidades com população a partir de 50 mil habitantes, de R$ 80 mil para R$ 100 mil. Para os demais municípios, o valor segue em R$ 80 mil.

Segundo a assessoria de impresa do conselho, famílias com renda acima de cinco salários mínimos não tem direito ao subsídio do FGTS. Já as famílias que ganham até R$ 4.900, nas três capitais (São Paulo, Distrito Federal e Rio de Janeiro) e R$ 3.900 para o resto do país.

PREÇOS

A justificativa do órgão para o aumento do teto é proporcionar a equivalência aos valores praticados no mercado imobiliário e pretende cobrir o deficit na habitação popular.

Segundo o presidente do conselho, o também ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, desde 2007 não havia reajuste desses valores. "No Distrito Federal e nas regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, os imóveis têm valores bem mais alto do que a média nacional", explicou Lupi.

RENDA

Segundo a assessoria de imprensa do Conselho, a renda familiar máxima para enquadramento nos financiamentos continua em R$ 4.900 para regiões metropolitanas e municípios com população igual ou superior a 250 mil habitantes, e R$ 3.900 para as demais regiões do país.

As operações de financiamento na área habitacional popular destinam recursos à população de baixa renda. A taxa nominal de juros das operações é fixada em 6% ao ano + TR (Taxa Referencial), que indexa a maioria dos contratos de financiamento imobiliário, sendo que essa taxa pode chegar a 5% com subsídio para famílias com renda de até R$ 2.790.

O FGTS pode financiar até 90% do valor de imóveis novos ou usados, sendo o prazo de pagamento em até 30 anos. A resolução do Conselho entra em vigor a partir da sua publicação, quando a Caixa começa a operar com os novos valores.

Participe do nosso canal no WhatsApp

Clique no botão abaixo para se juntar ao nosso novo canal do WhatsApp e ficar por dentro das últimas notícias.

Participar

Leia Também

Saúde Delicada
O Ator Tony Ramos passa por cirurgia de emergência na cabeça para tratar sangramento cerebral no RJ
Ajude o RS
Culturamense registra a devastação de Lageado durante entrega de 21 toneladas de donativos
Fotos: Saul Schramm BOMBEIROS DE MS EM AÇÃO NO PANTANAL
Para combater incêndios florestais no Pantanal, Governo de MS instala bases dos bombeiros em 13 área
SOLIDARIEDADE AO RIO GRANDE DO SUL
De Fátima do Sul e Culturama: Carreta com 17 toneladas de donativos chega a Roca Sales, RS
OLHA A HISTÓRIA
Mulher fica em coma por 17 dias após tomar remédio para cólica

Mais Lidas

Foto: reprodução internetNOVA FRENTE FRIA
Nova frente fria derruba temperaturas em MS; confira a previsão
EXPORAMA 2024EXPORAMA 2024 - VEJA PROGRAMAÇÃO
Com Laço, Rodeio, Shows e entrada franca, prefeita anuncia programação do aniversário de CULTURAMA
FÁTIMA DO SUL DE LUTO
Fátima do Sul se despede de Nivalda Pinheiro, Pax Oliveira informa sobre velório e sepultamento
Mulher pode ter matado filho na capital paraguaia / Reprodução ABC ColorTRAGÉDIA FAMILIAR
Mãe mata filho de 05 anos enforcado e é achada morta
Brasil
Conheça os finais dos principais personagens de "América"