Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 8 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Governo quer liberar R$ 1,7 bi para acalmar prefeitos

10 Abr 2007 - 09h11

O Palácio do Planalto poderá editar uma medida provisória liberando R$ 1,7 bilhão para tentar conter parcialmente a insatisfação dos prefeitos com a não aprovação, até esta terça-feira, da emenda constitucional que amplia o Fundo de Participação dos Municípios de 22,5% para 23,5% da receita de Imposto de Renda e IPI.

De acordo com fontes oficiais, a injeção de R$ 1,7 bilhão nos cofres municipais - equivalente a 1% da estimativa de receita com IPI e IR em 2007 - seria distribuída por meio do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), mas valeria apenas para este ano. O aumento permanente do FPM continuaria vinculado à aprovação da emenda constitucional da reforma tributária.

Adiamento - A estratégia do governo era jogar essa MP para o final do ano, como uma espécie de carta na manga para angariar apoio entre os prefeitos para conseguir aprovar a prorrogação da CPMF e da DRU (Desvinculação de Receitas da União), mas a ameaça dos prefeitos de radicalizar os protestos contra o governo (mais de 2 mil prefeitos estão em Brasília) estaria levando o ministro da Coordenação Política, Mares Guia, a negociar com o presidente Lula a antecipação da medida.

O auxílio emergencial aos prefeitos funcionaria nos moldes do fundo de auxílio aos Estados exportadores, o FEX, que é um complemento ao fundo da Lei Kandir.

Todos os anos o governo precisa editar uma MP destinando recursos para esse fundo, que fica desvinculado do Fundef/Fundeb. Da mesma forma, o R$ 1,7 bilhão das prefeituras também estaria desvinculado do Fundeb e precisaria ser renovado todos os anos enquanto a reforma tributária não for aprovada em definitivo.

MS - A 10ª Marcha dos Prefeitos a Brasília, que inicia hoje e vai até quinta-feira, levou à capital federal 42 prefeitos de Mato Grosso do Sul, Estado em que os efeitos da Lei Kandir são mais devastadores.

É que a lei, que entrou em vigor em 1997, já retirou dos caixas do Estado R$ 1,5 bilhão, com a desoneração de produtos primários e semi-acabados destinados à Exportação, como couros, grãos e carne bovina in natura.

Ontem, antes de viajar a Brasília, o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Eraldo Jorge Leite (PSDB), avaliou que desta vez o governo federal tem de dar um retorno financeiro compensador aos municípios, para evitar a falência de muitas das prefeituras.

"É desta vez ou nunca", falou Leite, referindo-se a mais uma rodada de negociações da União com os municípios - nas rodadas anteriores o governo federal teria aplicado uma espécie de calote em acordo firmado com as prefeituras, para o reforço do caixa destas com verbas federais.

Com Agência Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE NO MS
JBS oferece 600 vagas de emprego em 6 cidades de MS
VACINA COVID 19
Bolsonaro diz que vacina contra covid deverá estar disponível em dezembro
FALSIFICAÇÃO
Nota falsa de R$ 200 começa a circular
REABERTURA DO COMÉRCIO
Brasil e Paraguai podem reabrir comércio na fronteira em 10 dias, diz ministro
REINFECÇÃO EM ALERTA
Novo coronavírus tem segundas novas ondas de reinfecção e acendem sinal de alerta
FÁTIMA DO SUL - DICA CIA DO BICHO
Saiba o que são rações terapêuticas, Cia do Bicho destaca vários tipos, confira
BRASIL - 96.326 MORTES
Brasil tem 2.817.473 casos de Covid-19, indica consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
EXPLOSÃO EM BEIRUTE
Libanês se emociona e diz: Parecia uma bomba atômica, que acabou com tudo
BORA PRA BONITO - MS
Crie laços com a natureza em Bonito, MS!
LUTO NO CIRCO
Palhaço mais velho do Brasil morre aos 77 anos vítima de coronavírus