Menu
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
terça, 13 de abril de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Governador e parceiros lançam Prato Popular amanhã

18 Ago 2004 - 10h52
O governador Zeca do PT juntamente com representantes da Coca-Cola Femsa, Vivo e Copagás (empresa do grupo Zahran) faz o lançamento do restaurante Prato Popular e concede entrevista amanhã (19-08) às 9h no auditório da governadoria. Voltado para a comunidade empobrecida, o restaurante vai oferecer 300 refeições diariamente ao custo e R$ 1,00 para a população, que terá acesso a um cardápio saudável que inclui arroz, feijão, carne, uma guarnição, salada e copo de água, totalizando em média 1,5 mil calorias e 20 gramas de proteínas. O Prato Popular funcionará de segunda a sexta-feira, das 11h às 13h.

O restante do custo de cada refeição será pago pela Coca-Cola Femsa, Vivo e Copagás, que contratarão empresa para o preparo dos alimentos. Os parceiros do governo também serão responsáveis pela operação do restaurante, inclusive com pagamento dos funcionários.

O governo Popular se comprometeu com a construção do prédio, que está em andamento na Rua João Selingardi número 770, no bairro Lageado, região mais pobre de Campo Grande situada a 3 quilômetros do Lixão. O investimento para a obra é de R$ 294.268,47 e outros R$ 50 mil estão sendo disponibilizados pelo governo estadual para a aquisição de equipamentos e utensílios do restaurante, que tem previsão de ser entregue na segunda quinzena de setembro. O custeio de água e luz mensal também será de responsabilidade do Governo Popular.

Através da Ong Apoio ao Fome Zero, o governo estadual teve conhecimento do programa Prato Popular, que já existe em Porto Alegre (RS) onde foi inaugurado em 2003, Belo Horizonte (MG), Manaus (AM) e Cuiabá (MT), sempre com a iniciativa da Coca-Cola Femsa em parceria com empresas e o poder público. As próximas cidades que devem receber o restaurante popular são Recife (PE), João Pessoa (PA) e Fortaleza (CE). O programa Prato Popular também tem o apoio do presidente Lula e a orientação do governo federal de ser instalado nas regiões mais pobres das cidades.

Até o fim do mês, equipe formada por membros do Governo Popular e da Coca-Cola-Femsa estarão visitando a região do bairro Lageado para que sejam feitos os cadastros das pessoas interessadas em almoçar no Prato Popular. A expectativa é que sejam feitos cerca de 600 cadastros que serão selecionados e de onde serão escolhidos 300. Os critérios para a escolha dos beneficiados são renda per-capta até um salário mínimo e seus dependentes e pessoas que sobrevivem de trabalho nas ruas. A idéia é posteriormente criar um cartão que dará acesso de cada pessoa à refeição.

Estarão presentes no lançamento do restaurante o governador Zeca do PT; secretária de Trabalho, Assistência Social e Economia Solidária, Eloísa Castro Berro; diretor-presidente da Agesul, Carlos Augusto Longo Pereira; diretor regional da Vivo, Augusto César Ferreira de Castro; diretor regional da Coca-Cola Femsa, Sebastião Carlos Teixeira; gerente de assuntos governamentais da Coca-Cola Company, Victor Bica Neto; coordenador de projetos e comunicação da Ong Apoio ao Fome Zero, Bruno Weis e presidente do grupo Zahran, Ueze Zahran.
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo