Menu
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
terça, 13 de abril de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Ginástica rítmica do Brasil está na final das Olimpíadas

26 Ago 2004 - 17h38
A equipe de ginástica rítmica do Brasil se classificou para as finais da das Olimpíadas de Atenas. As brasileiras terminaram na sétima colocação, com 44.950 pontos, somadas as duas apresentações. As oito melhores equipes da disputa continuam na briga por medalhas, no sábado.
As russas ficaram com a primeira colocação no geral, com 49.875 pontos. A Itália terminou em segundo, com 48.175, enquanto a Bulgária ficou com a terceira colocação, com 46.900.
Ana Maria Maciel, Dayanne Camillo da Silva, Fernanda Cavalieri, Jennifer Oliveira e Larissa Barata surpreenderam os juizes com coreografias ousadas tantos nos exercícios de fitas quanto no de arcos e bolas.
Conforme o COB (Comitê Olímpico Brasileiro), a atleta Dayane Camilo anunciou que encerrará sua participação na Seleção Brasileira de Ginástica Rítmica nesse ano. Ela é a única remanescente do grupo que foi a Sydney, no ano 2000.
 
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo