Menu
SADER_FULL
terça, 7 de dezembro de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Gás e energia como moeda de troca para tratamentos em MS

14 Dez 2009 - 10h00Por Conjuntura

A sobrecarga que os atendimentos de paraguaios e brasiguaios causam em municípios brasileiros de fronteira é uma realidade também no Mato Grosso do Sul, que já realizou até transplantes de órgão em estrangeiros que atravessaram a fronteira em busca de tratamento.

– Temos 16 municípios nas regiões de fronteira, dois do lado boliviano e 16 no paraguaio, onde a fronteira é seca, logo de fácil acesso. Nós somos obrigados a atender por uma questão de ética médica – afirma o diretor-geral de Atenção à Saúde do MS, Antonio Lastoria. 

Muitos pacientes renais e de oncologia nos procuram e no decorrer do tratamento acabam chegando à capital, Campo Grande.

Segundo o secretário, nos casos de transplantes intervivos já realizados em estrangeiros no estado, o Ministério Público foi informado para comprovar a inexistência de tráfico internacional de órgãos.

– Cerca de 20% do nosso atendimento é para estrangeiros. A maioria faz a intervenção de emergência e volta para a casa no país de origem porque sabe que vai ter dificuldades no caso de uma possível internação.

Na opinião de Lastoria, o Brasil deveria fechar com Bolívia e Paraguai acordos semelhantes ao que foi fechado com o Uruguai na semana passada. E para tanto, até mesmo troca de energia da Itaipu no Paraguai e de gás com a Bolívia poderiam ser usados nas negociações.

Já no Mato Grosso, um acordo informal entre o governador do estado, Blairo Maggi, e o governador de Santa Cruz, estado boliviano, tem proporcionado o atendimento de bolivianos, principalmente os que vivem em São Matias, município distante 90 km de Cáceres, cidade matogrossense com estrutura hospitalar mais próxima da fronteira. A informação é do diretor do Hospital Regional de Cáceres, Duda Barros.

Para Barros, se for considerada a situação do Mato Grosso, o Brasil não deve se preocupar em fechar acordo bilateral com a Bolívia porque o atendimento a bolivianos corresponde a apenas 2% dos atendimentos feitos no estado. E os mesmos não têm trazido impacto financeiro.

O diretor, no entanto, destaca que o hospital de Corumbá recebe praticamente todos os dias bolivianos que trabalham como mulas do tráfico e que passam mal porque transportam a droga no estômago.

Apesar de ser em uma escola infinitamente menor, o Acre também tem recebido estrangeiros em busca de tratamento. A secretaria de saúde do estado não sabe precisar quantos atendimentos ambulatoriais são feitos regulamentente.

Mas as internações, por sua vez, são registradas. Foram 356 entre o ano 2000 e 2007, sendo 220 de bolivianos.

Leia Também

SONHO DA MATERNIDADE
Servidora Pública perde marido para a Covid, mas realiza sonho e dá à luz trigêmeos
LIÇÕES DA BIBLIA
O céu dos céus
covid_04.12 COVID NO BRASIL
Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes
LIÇÕES DA BIBLIA
Deuteronômio em escritos posteriores
ABUSO DE AUTORIDADE
PM arrasta homem negro algemado em moto; "Como na escravidão", diz gravação
REVOLTANTE
Índia de 13 anos violentada pelo avô busca ajuda e acaba estuprada por 4 em unidade saúde
DOENTIO
Mulher descongela geladeira e encontra corpo de bebê escondido em sacola
PONTE BIOCEÂNICA
Ponte Bioceânica vai ganhar nova data de lançamento; Bolsonaro e Marito participam
AÇÕES DO GOVERNO MS
Com estados da região Sul, Azambuja quer integração ferroviária e união para redução de carbono
PIX SAQUE
Pix Saque começa hoje:comércio vê nova ferramenta como chamariz para clientes,mas teme por segurança