Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 12 de junho de 2021
Busca
Brasil

Gás e energia como moeda de troca para tratamentos em MS

14 Dez 2009 - 10h00Por Conjuntura

A sobrecarga que os atendimentos de paraguaios e brasiguaios causam em municípios brasileiros de fronteira é uma realidade também no Mato Grosso do Sul, que já realizou até transplantes de órgão em estrangeiros que atravessaram a fronteira em busca de tratamento.

– Temos 16 municípios nas regiões de fronteira, dois do lado boliviano e 16 no paraguaio, onde a fronteira é seca, logo de fácil acesso. Nós somos obrigados a atender por uma questão de ética médica – afirma o diretor-geral de Atenção à Saúde do MS, Antonio Lastoria. 

Muitos pacientes renais e de oncologia nos procuram e no decorrer do tratamento acabam chegando à capital, Campo Grande.

Segundo o secretário, nos casos de transplantes intervivos já realizados em estrangeiros no estado, o Ministério Público foi informado para comprovar a inexistência de tráfico internacional de órgãos.

– Cerca de 20% do nosso atendimento é para estrangeiros. A maioria faz a intervenção de emergência e volta para a casa no país de origem porque sabe que vai ter dificuldades no caso de uma possível internação.

Na opinião de Lastoria, o Brasil deveria fechar com Bolívia e Paraguai acordos semelhantes ao que foi fechado com o Uruguai na semana passada. E para tanto, até mesmo troca de energia da Itaipu no Paraguai e de gás com a Bolívia poderiam ser usados nas negociações.

Já no Mato Grosso, um acordo informal entre o governador do estado, Blairo Maggi, e o governador de Santa Cruz, estado boliviano, tem proporcionado o atendimento de bolivianos, principalmente os que vivem em São Matias, município distante 90 km de Cáceres, cidade matogrossense com estrutura hospitalar mais próxima da fronteira. A informação é do diretor do Hospital Regional de Cáceres, Duda Barros.

Para Barros, se for considerada a situação do Mato Grosso, o Brasil não deve se preocupar em fechar acordo bilateral com a Bolívia porque o atendimento a bolivianos corresponde a apenas 2% dos atendimentos feitos no estado. E os mesmos não têm trazido impacto financeiro.

O diretor, no entanto, destaca que o hospital de Corumbá recebe praticamente todos os dias bolivianos que trabalham como mulas do tráfico e que passam mal porque transportam a droga no estômago.

Apesar de ser em uma escola infinitamente menor, o Acre também tem recebido estrangeiros em busca de tratamento. A secretaria de saúde do estado não sabe precisar quantos atendimentos ambulatoriais são feitos regulamentente.

Mas as internações, por sua vez, são registradas. Foram 356 entre o ano 2000 e 2007, sendo 220 de bolivianos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta