Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 8 de agosto de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Gás deixou Brasil refém de ameaças da Bolívia

23 Abr 2007 - 09h27
A redução das exportações bolivianas de gás natural iniciada nesta sexta-feira, 20, é, na opinião de analistas do setor, mais um exemplo de como o mercado brasileiro se tornou refém dos percalços enfrentados pelo presidente Evo Morales nesses primeiros anos de governo.

Desde o início do processo de nacionalização do setor de petróleo e gás no país vizinho, já houve outras ameaças de corte no fornecimento devido a protestos localizados, além de reviravoltas nas negociações com as petroleiras motivados por disputas políticas internas.

Há três anos vivendo em Santa Cruz de la Sierra, um executivo de multinacional com operações no país vizinho aposta que o Brasil ainda terá outros sustos em suas relações com a Bolívia. "O país é muito instável e nunca se sabe até onde as pessoas estão dispostas a ir", diz ele, referindo-se à invasão por manifestantes de uma base de escoamento de óleo no sul do país, provocando a redução nas exportações de gás.

Ele lembra que é comum que manifestantes ameaçem com medidas mais radicais para que sejam atendidos pelo governo. "Quando você é dependente de um país em crise política, está sujeito a problemas o tempo todo", afirma o analista Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE).

No mês passado, os parlamentares de oposição suspenderam o processo de aprovação dos novos contratos de concessão, causando prejuízos à Petrobras, que tem que pagar, junto com suas parceiras nos campos de San Alberto e San Antonio, US$ 30 milhões em impostos por mês enquanto o novo modelo não entrar em operação. Depois disso, a conta cai para US$ 4 milhões.

No fim do ano passado, a Petrobras teve que parar a operação no campo petrolífero de Caranda, em Santa Cruz de la Sierra, após a invasão de cerca de 200 manifestantes. Antes, em meados do ano, as exportações de gás boliviano para o Brasil também foram interrompidas, mas por causa das chuvas que danificaram dutos no sul do País. Na ocasião, o governo começou a desenhar o plano de contingenciamento do mercado de gás natural, que pode ser aplicado agora.

Instabilidade – Para o analista Marco Aurélio Tavares, da Gás Energy, não há outra saída no curto prazo para o Brasil senão conviver com a instabilidade da Bolívia. "Isso só vai mudar a partir do momento que o Brasil viabilizar a importação do Gás Natural Liquefeito (GNL) e aumentar a sua produção interna. Antes disso, é preciso saber administrar essas crises", avaliou.

O analista lembrou ainda que a atual crise da Bolívia acontece em um momento em que o Brasil está um pouco mais fortalecido, por não estar dependendo das usinas térmicas. "Hoje as usinas que geram energia, fazem isso apenas para garantir a sustentabilidade do sistema, mas se uma interrupção do fornecimento se desse numa época de seca, o Brasil seria pego de calças curtas", disse.

AE

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE NO MS
JBS oferece 600 vagas de emprego em 6 cidades de MS
VACINA COVID 19
Bolsonaro diz que vacina contra covid deverá estar disponível em dezembro
FALSIFICAÇÃO
Nota falsa de R$ 200 começa a circular
REABERTURA DO COMÉRCIO
Brasil e Paraguai podem reabrir comércio na fronteira em 10 dias, diz ministro
REINFECÇÃO EM ALERTA
Novo coronavírus tem segundas novas ondas de reinfecção e acendem sinal de alerta
FÁTIMA DO SUL - DICA CIA DO BICHO
Saiba o que são rações terapêuticas, Cia do Bicho destaca vários tipos, confira
BRASIL - 96.326 MORTES
Brasil tem 2.817.473 casos de Covid-19, indica consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
EXPLOSÃO EM BEIRUTE
Libanês se emociona e diz: Parecia uma bomba atômica, que acabou com tudo
BORA PRA BONITO - MS
Crie laços com a natureza em Bonito, MS!
LUTO NO CIRCO
Palhaço mais velho do Brasil morre aos 77 anos vítima de coronavírus