Menu
SADER_FULL
terça, 28 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Gabriela Calçados é condenada por violar regras trabalhistas

9 Fev 2010 - 17h09Por Mídiamax
A Justiça do Trabalho condenou a empresa Gabriela Calçados ao pagamento de multa no valor de R$ 20 mil por praticar assédio moral, impor humilhações, constrangimento e perseguição contra funcionários, entre outras irregularidades elencadas. A sentença foi proferida em dezembro do ano passado. A empresa incorre em multa de R$ 1 mil por trabalhador prejudicado, no caso de insistir na irregularidade. Ainda cabe recurso.

A ação foi proposta pelo Procurador do Trabalho Odracir Juares Hecht, em dezembro de 2008, após conclusão do inquérito civil público instaurado para averiguar a denúncia de uma ex-funcionária da empresa. Durante a investigação, que durou mais de um ano, as irregularidades foram comprovadas como prática comum da empresa, afirma a assessoria da Justiça do Trabalho. “Os empregados eram humilhados pelos superiores e punidos em caso de atraso, tendo o recebimento de comissões prejudicado”, diz a nota.

Foram também comprovadas irregularidades no registro de ponto dos empregados, que chegavam a extrapolar a jornada diária permitida por lei, registrando apenas o horário previsto no contrato de trabalho. Além disso, o valor das gratificações semestrais pagas aos vendedores não era contabilizado nos holerites, constituindo-se no chamado pagamento de salário “por fora”.

Segundo o Procurador Odracir Juares Hecht, essa prática gera concorrência desleal para com as outras empresas do ramo, além de prejuízo aos funcionários, que deixam de receber adicionais nas férias, 13º salário e FGTS, e sonegação de impostos pela utilização de dinheiro que não passa pela contabilidade da empresa.

Afora as irregularidades contábeis, a Gabriela Calçados exercia práticas ilegais contra seus funcionários, aponta a investigação da Procuradoria do Trabalho. A empresa não permitia o relacionamento amoroso entre empregados, mesmo fora do ambiente de trabalho, o que era punido até mesmo com a demissão. No entender do procurador, isso se caracteriza conduta discriminatória.

Na sentença, a juíza Ana Paola Emanuelli reconheceu as irregularidades cometidas pela empresa e o assédio moral praticado, “como contumaz violação dos direitos da personalidade de seus empregados, vítimas de atos claramente ilícitos que acarretam dor moral”.

A empresa foi condenada a não mais praticar assédio moral ou qualquer discriminação no ambiente de trabalho, a não realizar revistas íntimas nem intervir na vida particular dos empregados, não exigir anotação do controle de ponto diferente do horário efetivamente trabalhado, não exigir que os empregados laborem além das duas horas extras permitidas por lei, remunerar as horas extras, fornecer uniformes, consignar nos holerites todos os pagamentos efetuados, assim como realizar os pagamentos em dia.

Leia Também

PICTURE SEO E SEUS BENEFÍCIOS
Os benefícios de SEO para comércio eletrônico
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe entra na sala de casa e flagra filha de 13 anos fazendo sexo oral no padrasto bombeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
O chamado de Abraão
CARRO DESGOVERNADO
Aluno de 13 anos é atropelado e prensado contra muro de colégio por carro desgovernado
SOB INVESTIGAÇÃO
Amigos saem para pescar e encontram cadáver boiando em rio
DESASTRE AÉREO
Diretor da UPA que sofreu acidente aéreo no Pantanal morre em hospital
COVID-19
Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas
+ AUMENTO
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
PAN AMERICANO JUNIOR
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
LIÇÕES DA BÍBLIA
Prefácio de Deuteronômio