Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 19 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

G20 debate no Canadá economia global e sanções ao Irã

25 Jun 2010 - 10h29Por Agência Brasil
Medidas para conter a crise econômica europeia, propostas de reforma do sistema financeiro mundial, sanções ao Irã e eventuais ações de apoio aos países em desenvolvimento serão alguns dos temas em discussão neste fim de semana, em Toronto, no Canadá. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e líderes mundiais que integram o G20 (grupo das maiores economias do mundo) estarão reunidos em busca de acordos nessas áreas e também no setor agrícola.

Organizadores da comitiva brasileira afirmaram à Agência Brasil que os debates se concentram neste sábado (26) e que as conclusões serão divulgadas no domingo (27). Nas discussões, segundo negociadores brasileiros, Lula destacará as iniciativas tomadas pelo governo brasileiro para evitar a contaminação da crise econômica. Aproveitará para alertar que a crise que atinge parte da Europa é preocupante e que há ameaça para a economia global.

O presidente pretende afirmar que a receita para evitar o agravamento de uma situação de crise é o estímulo ao crescimento econômico. Como exemplo, ele deverá citar as medidas de incentivo ao consumo adotadas pelo governo brasileiro, como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para as mercadorias de linha branca e automóveis.

Paralelamente, Lula defenderá uma reforma no sistema estrutural do Fundo Monetário Internacional (FMI). Para o governo brasileiro, há um desequilíbrio entre o que o Brasil representa e o poder de voto que tem na instituição. O assunto é considerado uma prioridade para o presidente. Por ele, a reforma no FMI deveria seguir o modelo adotado pelo Banco Mundial.

Em abril deste ano, o Banco Mundial aprovou uma reforma que aumenta o poder de voto de países emergentes e em desenvolvimento na instituição. Pelas novas regras, os emergentes ganham um aumento de 3,13 pontos percentuais em seu poder de voto, totalizando 47,19%.

Para implementar as mudanças no FMI, todos os países enviaram dados macroecômicos, fiscais, monetários, finaceiros e também referentes aos índices de inflação para a instituição. O Brasil, de acordo com os diplomatas, foi um dos primeiros a encaminhar as informações ao órgão.

Na semana passada,  o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, enviou carta aos participantes demonstrando preocupação com o fato de alguns governos anunciarem a possibilidade de suspensão de programas de estímulo à economia de forma abrupta. Segundo ele, isso pode provocar dificuldades econômicas e até recessão. Para analistas, o recado de Obama foi uma mensagem para as economias europeias, que enfrentam crescente preocupação com a dívida pública.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL - 153.905 MORTES
Brasil registra 10,9 mil novos casos de covid-19 em 24 horas
AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa paga hoje auxílio emergencial de R$ 300 a 1,6 milhão do Bolsa Família
BRASILEIRÃO
Com possível 'adeus' de Soteldo, Santos vence o Coritiba fora de casa
HORÁRIO DE VERÃO
HORÁRIO DE VERÃO: Brasil não terá horário de verão pelo segundo ano consecutivo
GOVERNO NA CONTRA-MÃO
Bolsonaro: Vacina contra a covid-19 não será obrigatória
BRASIL -152.460 MORTES
Covid-19: Brasil tem 713 óbitos e 28.523 novos casos em 24h
INSS - BLOQUEIO
INSS prorroga interrupção de bloqueio de benefícios
TRAGÉDIA
Bebê de 1 ano morre após ser mordido por cachorro Chow-chow
Coronel Fernanda diz que sobreviveu por obra de Deus SUSTO
Avião com candidata ao senado cai no interior de MT; veja vídeo
FAMOSIDADES
'Não tive outra escolha', diz Suita sobre separação de Gusttavo Lima