Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Fusão une duas companhias discográficas do Brasil

27 Nov 2004 - 07h21
Roberto Carlos e Chico Buarque terão o mesmo patrão em janeiro, assim como Marcelo D2 e Zezé di Camargo e Luciano. O espólio musical de Elvis Presley estará sob o mesmo teto que o legado pop de Michael Jackson.

Será efetivada em janeiro a fusão no Brasil entre as gravadoras Sony Music e BMG, duas das maiores companhias discográficas do País. Roberto Carlos era da Sony, Chico Buarque era da BMG. Los Hermanos, Capital Inicial, Lenine, Titãs e Arnaldo Antunes eram da BMG. Bruce Springsteen, Prince, Pearl Jam, Duran Duran eram da Sony.

Agora, todos estarão juntos na nova empresa, que reúne a conhecida BMG, do conglomerado de mídia alemão Bertelsmann AG, e a Sony Music Entertainment, da gigante Sony Corp.

A companhia que nasce, Sony-BMG, deixa 80% do mercado fonográfico na mão de apenas quatro grupos: Vivendi Universal, EMI, Warner Music e Sony-BMG. O líder mundial era a Universal Music, com 25,9% do mercado (dados de 2002). Agora, a empresa nascente abocanha essa posição, com 27% do mercado de música.

Segundo executivos da Bertelsmann, a fusão é imprescindível para assegurar a sobrevivência das companhias no combalido mercado musical. Permitiria agilidade de operações em afiliadas transnacionais e economia de recursos na divulgação de artistas e discos. No Brasil, empregados de Sony e BMG ainda não sabiam, até esta semana, quais seriam os efeitos da fusão no seu dia-a-dia e os eventuais cortes a serem processados.

As estratégias de lançamentos também podem gerar certa confusão. Roberto Carlos, por exemplo, lança seus discos pela Sony porque, na gravadora, jamais é questionado sobre prazos e critérios artísticos. Tem plena liberdade - já atrasou algumas vezes seu clássico natalino.

Alguns dos lançamentos mais \"pesados\" recentes das duas gravadoras, separadas, são o DVD \"Bob Dylan MTV Unplugged\" (pelo lado da Sony) e a trilha sonora do filme \"El Milagro de Candeal\" de Fernando Trueba, com Carlinhos Brown e o grande pianista cubano Bebo Valdés (pelo lado da BMG).

\"Bob Dylan MTV Unplugged\" traz o cantor norte-americano em 12 faixas, desplugado, cantando hits como \"Shooting Star\", \"John Brown\" e a clássica \"Like a Rolling Stone\" (segunda melhor música de todos os tempos, conforme enquete recente da revista \"Rolling Stone\").

\"El Milagro de Candeal\" foi rodado em Salvador, narrando o contato de um músico negro de outro país com uma cultura africana que sobrevive na música da Bahia. O músico é Bebo Valdés, pai de Chucho Valdés. A trilha sonora tem participações de Marisa Monte e Caetano Veloso.
 
 
 
Agência Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada