Menu
SADER_FULL
terça, 11 de maio de 2021
Busca
Brasil

Funcionários dos Correios podem ser anistiados

27 Jul 2004 - 14h28
A Câmara está analisando o Projeto de Lei 3618/04, do deputado Lindberg Farias (PT-RJ), que anistia os funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) punidos por participação em greves. Os trabalhadores dos Correios que sofreram punições após a promulgação da Constituição Federal de 1988 terão asseguradas a contagem do tempo de serviço, a progressão salarial e o pagamento das contribuições previdenciárias do período que foi prejudicado.
Segundo Lindberg Farias, entre março de 1997 e março de 1998 foram demitidos sumariamente, sem justa causa, cerca de 1.500 empregados da ECT com o intuito de pressioná-los a não entrar em greve. "Se na iniciativa privada tais arbitrariedades já são inaceitáveis, em empresas públicas chegam a constituir aberrações jurídicas", considera.
A proposta, que está aguardando votação na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, tem como relator o deputado Tarcísio Zimmermann (PT-RS). Ele defende a aprovação do projeto, pois considera a situação inaceitável. "Qualquer punição aos trabalhadores que estão lutando de forma legítima por seus direitos trabalhistas esbarra em previsões constitucionais e até mesmo em dispositivos previstos em normas infraconstitucionais", afirma o relator.
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania ainda examinará o projeto, que poderá seguir direto para o Senado se for aprovado, por tramitar em caráter conclusivo.

Projeto semelhante no Plenário
O Projeto de Lei 3462/00, do deputado Paulo Rocha (PT-PA), também anistia trabalhadores dos Correios que foram punidos por participarem de movimento grevista em 1997 e 1998. Essa proposta já foi aprovada pela Câmara, mas recebeu emenda do Senado que determina que a lei só vai gerar efeitos financeiros a partir de sua publicação. A emenda está pronta para ser votada em Plenário.
Segundo Paulo Rocha, antes mesmo do início do movimento grevista, ocorrido em protesto contra o descumprimento de dispositivos do Acordo Coletivo de Trabalho, a empresa demitiu 200 funcionários por justa causa, além de ter punido outros servidores da empresa e feito alterações unilaterais de contrato. O caso foi denunciando à Organização Internacional do Trabalho (OIT), em reunião ocorrida em 1998.
 
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias