Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Frigoríficos partem para projetos mais ousados no exterior

9 Out 2004 - 09h58
Os frigoríficos de aves e suínos começam a dar passos mais ousados no exterior, depois de uma bem-sucedida internacionalização de seus produtos. A Sadia Alimentos, que já obtém mais da metade de sua receita com as vendas externas e é hoje a maior exportadora de frangos e suínos do país, planeja implantar uma unidade de processamento de carne de frango e de fabricação de salsicha e hambúrguer na Rússia, conforme apurou o Valor. A empresa não se pronuncia sobre o projeto. A Rússia é um dos principais mercados para a Sadia. No primeiro semestre do ano, respondeu por 8% dos R$ 1,7 bilhão exportados pela empresa. A companhia também investe em novos escritórios. Os mais recentes foram abertos no Japão e na Alemanha, e o da Venezuela está em processo de abertura. O frigorífico, que começou a se internacionalizar em 1991, tem atualmente unidades no Uruguai, Inglaterra, Argentina, Chile, Rússia, Turquia e Emirados Árabes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV