Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 14 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Força Nacional de Segurança treina as 12 primeiras mulheres

3 Set 2004 - 17h32
Com quase 12 anos de carreira na Polícia Militar, a catarinense Marli Santana da Silveira, 29 anos, é uma das 12 primeiras mulheres treinadas para integrar a Força Nacional de Segurança Pública. Além delas, 436 homens, entre policiais militares e bombeiros, já receberam capacitação, na Academia Nacional de Polícia, em Brasília, para compor a tropa de elite que atuará em situações de emergência ou quando houver necessidade de reforço na área de segurança pública dos estados.

Durante duas semanas, os integrantes da Força Nacional receberam aulas práticas e teóricas, sobre técnicas de abordagem, tiro, primeiros socorros, patrulhamento e direitos humanos, entre outros temas. O objetivo é padronizar os conhecimentos e procedimentos desses profissionais.

Após a solenidade de formatura da segunda turma de integrantes do grupo, realizada hoje, a policial militar Marli Silveira disse que, durante os quinze dias de curso, conseguiu colocar em prática tudo que aprendeu. “O treinamento para a prática da Força Nacional foi igual para todos, desde o mais moderno policial até o mais antigo, e também para os homens e as mulheres”, destacou Marli. Para ela, que se casou uma semana antes do início da capacitação, a parte mais difícil foi ficar longe da família. “Mas tudo isso valeu a pena. Espero poder lutar pelo Brasil, fazer com que realmente a segurança pública seja uma realidade para os cidadãos brasileiros”.

Segundo o coordenador da Força Nacional, Aurélio Ferreira Rodrigues, um dos focos dos instrutores foi colocar os policiais em contato com diversos tipo de armamento. Segundo Rodrigues, em 15 dias, cada um dos participantes teve oportunidade de treinar 300 tiros de pistola e outros 200 de fuzil. “Muitos policiais militares nunca tinham treinado tantos tiros, em anos e anos de carreira”, observou.

Durante o evento, o secretário Nacional de Segurança Pública, Luiz Fernando Corrêa, afirmou que os policiais militares e bombeiros diplomados representam a integração entre as corporações de vários estados.

“A integração necessária, agora, é entre a sociedade e as instituições policiais e isso nós só vamos conseguir no dia-a-dia, com o atendimento adequado a essa demanda por segurança pública, com uma postura profissional firme, mas dentro dos preceitos da atualidade, da polícia cidadã, observando e garantindo os direitos humanos”. Corrêa também ressaltou o grau de responsabilidade desses profissionais. “Os senhores serão cobrados num nível maior de que os outros policiais”, afirmou.

A policial militar mineira Miriam Soares Aleixo, 29 anos, disse estar ciente dos desafios que estão por trás da nova missão. “Sei que não vai ser fácil, mas a gente está aí para isso. Estou preparada e cheia de coragem”, salientou.
 
Agência Brasil
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Instrutor de tiros morre após disparo acidental contra o próprio peito no dia do aniversário
TRUCULENCIA
'Achei que iria morrer sufocada como George Floyd', diz mulher negra que teve pescoço pisado por PM
AUXILIO EMERGENCIAL
Liberados saques e transferências para aprovados no 3º lote
VITIMA DA COVID 19
Cantor morre de covid-19 após sogro e sogra; esposa está em isolamento
CAOS NA SAUDE
MT está perdendo a guerra para o coronavírus; nós subestimamos a doença
TRAGEDIA NO CONDOMÍNIO
Adolescente que matou amiga treina tiro esportiva há 3 anos com o pai
VIOLENCIA DOMESTICA
Mulher tem rosto desfigurado após ser agredida e pisoteada pelo marido bêbado
CORONAVIRUS AVANÇA
Brasil tem 72.234 mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
BONITO - DICAS AGÊNCIA
Como fazer Snorkel em Bonito MS, o que ver, o que fazer e o que não!
PANDEMIA CORONAVIRUS
Filho de ex-jogador famoso vende geleias e não vê o pai há nove anos