Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Fluminense paga três meses de salários atrasados

2 Ago 2004 - 17h08

A diretoria do Fluminense surpreendeu os jogadores ao anunciar, na manhã desta segunda-feira, nas Laranjeiras, que os salários de julho, agosto e setembro estavam na conta dos jogadores. O pagamento foi feito com a venda (US$ 2 milhões) do zagueiro Rodolfo para o Dínamo de Kiev.

O zagueiro Odvan lembrou que nem na época em que atuava no Vasco aconteceu situação parecida. "Isso nunca aconteceu nem nos melhores tempos do Vasco. Para mim, é uma coisa inédita. Mas isso não aumenta a responsabilidade. Por entrar em campo com a camisa do Fluminense já é uma responsabilidade grande, independente do salário está adiantado ou atrasado", declarou o zagueiro.

O treinador Ricardo Gomes preferiu não comentar muito sobre o pagamento dos salários atrasados, entretanto, ressaltou que a atitude da diretoria tricolor deixa os jogadores mais tranqüilos. "Nunca falei dos salários atrasados, nem dos adiantados, mas, evidentemente que ficamos mais tranqüilos", disse o treinador.

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV