Menu
SADER_FULL
terça, 2 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Ficha Limpa pode intimidar campanha de Dagoberto Nogueira ao Senado

2 Jun 2010 - 16h26Por Conjuntura Online

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não sancionar, sem vetos, o Projeto Ficha Limpa, aprovado pelo Senado, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) não terá tranqüilidade para cuidar de sua campanha ao Senado, embora sua candidatura será lançada domingo (6) durante encontro regional do PT em Campo Grande.

O projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado) torna inelegíveis os réus de crimes graves “que forem” condenados por tribunais de segunda instância.

Lula tem até o dia 8 deste mês para sancionar o projeto, mas antes disso quer ouvir os líderes do governo antes de tomar qualquer decisão.

O problema é que ele tem dúvidas em relação à emenda de redação do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que substituiu “os que tenham sido condenados” por “os que forem condenados”. E é justamente o primeiro exemplo que mais preocupa Dagoberto Nogueira, condenado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul por improbidade administrativa.

Se o presidente da República sancionar logo, eventuais condenações entre a data da sanção e a do registro da candidatura poderão ter efeito nas eleições de outubro.

A ação foi movida pelo MPE (Ministério Público Estadual) na época em que Dagoberto dirigiu o Detran-MS, na gestão de Zeca do PT, para investigar a contratação de empresa para instalar centrais que acionavam automaticamente a Polícia Militar. O tribunal constatou irregularidades no processo de contratação.

Por causa disso, o brizolista seria o único representante da bancada federal impedido de disputar as próximas eleições, caso o Projeto Ficha Limpa comece a valer em 2010.

O deputado, inclusive, foi o único de Mato Grosso do Sul a não votar favorável a matéria, apesar de publicamente ter se manifestado. 

Como argumento, explicou que a ausência do voto dele não atrapalhou a aprovação do Ficha Limpa. O mais importante, conforme o deputado, foi que o seu partido, ajudou a Câmara a aprovar o texto principal, remetido depois ao Senado.

De acordo com site o Congresso em Foco, 55 parlamentares marcaram presença no painel da Casa, mas não votaram, entre eles o sul-mato-grossense.

Dagoberto, que terá a ex-primeira-dama Gilda dos Santos na primeira suplência, deverá postular o cargo juntamente com o senador Delcídio do Amaral (PT), que postula à reeleição. Seus adversários são o deputado federal Waldemir Moka (PMDB) e o vice-governador Murilo Zauith (DEM), caso o democrata não desista de participar do pleito. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados