Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 26 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Ficha Limpa pode intimidar campanha de Dagoberto Nogueira ao Senado

2 Jun 2010 - 16h26Por Conjuntura Online

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não sancionar, sem vetos, o Projeto Ficha Limpa, aprovado pelo Senado, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) não terá tranqüilidade para cuidar de sua campanha ao Senado, embora sua candidatura será lançada domingo (6) durante encontro regional do PT em Campo Grande.

O projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado) torna inelegíveis os réus de crimes graves “que forem” condenados por tribunais de segunda instância.

Lula tem até o dia 8 deste mês para sancionar o projeto, mas antes disso quer ouvir os líderes do governo antes de tomar qualquer decisão.

O problema é que ele tem dúvidas em relação à emenda de redação do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que substituiu “os que tenham sido condenados” por “os que forem condenados”. E é justamente o primeiro exemplo que mais preocupa Dagoberto Nogueira, condenado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul por improbidade administrativa.

Se o presidente da República sancionar logo, eventuais condenações entre a data da sanção e a do registro da candidatura poderão ter efeito nas eleições de outubro.

A ação foi movida pelo MPE (Ministério Público Estadual) na época em que Dagoberto dirigiu o Detran-MS, na gestão de Zeca do PT, para investigar a contratação de empresa para instalar centrais que acionavam automaticamente a Polícia Militar. O tribunal constatou irregularidades no processo de contratação.

Por causa disso, o brizolista seria o único representante da bancada federal impedido de disputar as próximas eleições, caso o Projeto Ficha Limpa comece a valer em 2010.

O deputado, inclusive, foi o único de Mato Grosso do Sul a não votar favorável a matéria, apesar de publicamente ter se manifestado. 

Como argumento, explicou que a ausência do voto dele não atrapalhou a aprovação do Ficha Limpa. O mais importante, conforme o deputado, foi que o seu partido, ajudou a Câmara a aprovar o texto principal, remetido depois ao Senado.

De acordo com site o Congresso em Foco, 55 parlamentares marcaram presença no painel da Casa, mas não votaram, entre eles o sul-mato-grossense.

Dagoberto, que terá a ex-primeira-dama Gilda dos Santos na primeira suplência, deverá postular o cargo juntamente com o senador Delcídio do Amaral (PT), que postula à reeleição. Seus adversários são o deputado federal Waldemir Moka (PMDB) e o vice-governador Murilo Zauith (DEM), caso o democrata não desista de participar do pleito. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DESASTRE AÉREO
Diretor da UPA que sofreu acidente aéreo no Pantanal morre em hospital
COVID-19
Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas
+ AUMENTO
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
PAN AMERICANO JUNIOR
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
LIÇÕES DA BÍBLIA
Prefácio de Deuteronômio
ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"