Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 29 de julho de 2021
Busca
Brasil

FGV: Inflação do aluguel desacelera e fica em 1,01% em outubro

28 Out 2010 - 08h26Por G1

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), utilizado para reajuste da maioria dos contratos de aluguel, ficou em 1,01% no mês de outubro, segundo levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgado nesta quinta-feira (28). Em setembro, a variação registrada foi de 1,15%. No ano, o índice acumula alta de 8,98% e, nos últimos 12 meses, de 8,81%.

Em outubro, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do IGP-M, ficou em 1,30%, contra 1,60% no mês anterior. O índice relativo a bens finais variou 1,53% em outubro, contra 1,14% em setembro. A aceleração do subgrupo alimentos in natura influenciou resultado. A taxa passou de 0,05% para 8,50%.

O índice relativo ao grupo bens intermediários passou de 0,29% para 0,21%. O subgrupo materiais e componentes para a manufatura desacelerou de 0,26% para 0,06%. Já o índice relativo a matérias-primas brutas ficou em 2,55%. No mês anterior, foi de 4,08%. Contribuíram para o resultado as variações dos preços de algodão em caroço (de 30,97% para 2,40%), minério de ferro (de 0,28% para -3,83%) e bovinos (de 5,85% para 4,28%). Na contramão, tiveram aceleração as variações de soja em grão (de 3,07% para 5,04%), mandioca (de -1,52% para 13,31%) e leite in natura (de -3,39% para -0,03%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) acelerou de 0,34% em setembro para 0,56% em outubro. Dos sete grupos de despesa que compõem o índice, seis apresentaram aceleração nas taxas taxas de variação.

O que ficou mais caro
Teve destaque o grupo alimentação, cuja taxa passou de 0,56% para 1,23%. Dentro dessa classe de despesas, as maiores influências foram exercidas por arroz e feijão (de -1,63% para 7,04%), hortaliças e legumes (de -4,07% para -1,70%) e laticínios (de -0,01% para 1,56%).

Outros destaques partiram dos grupos despesas diversas (de 0,14% para 0,23%), habitação (de 0,22% para 0,28%), saúde e cuidados pessoais (de 0,39% para 0,45%), educação, leitura e recreação (de 0,17% para 0,22%) e transportes (de 0,11% para 0,15%). As maiores contribuições foram observadas nos itens cerveja (de -0,91% para 1,67%), material para reparos de residência (de 0,40% para 0,88%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,31% para 0,79%), salas de espetáculo (de 0,19% para 1,63%) e álcool combustível (de 0,60% para 4,35%).

O que ficou mais barato
Na contramão, subiram menos os preços de vestuário (de 0,72% para 0,67%), com destaque para as roupas masculinas (de 1,40% para 0,26%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRISE HÍDRICA
Novas fontes preparam MS para a crise hídrica, ressalta governador
ABAIXO DE ZERO
Com -8,6°C, SC registra a menor temperatura do Brasil em 2021, diz Inmet
COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas
CONCURSO PÚBLICO
Caixa Econômica convocará 9 mil de concursos e abre mais mil vagas
BRASIL - 550.502 MORTES
Covid-19: país ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos
COVID 19 NO BRASIL
Brasil registra 19,68 milhões de casos de covid-19 e 549,92 mil mortes
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'