Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 2 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Famasul assume coordenação da Câmara Setorial do Leite

9 Out 2004 - 08h39
 

“O cerrado vai ter um grande estouro na produção de leite. Nós não temos dúvida nenhuma que Mato Grosso do Sul vai crescer na produção leiteira como aconteceu com Goiás, por exemplo, desde que haja vontade política e vontade das instituições para isso” a previsão otimista é da economista Adriana Braga, consultora técnica da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) e da Funar (Fundação Educacional para o Desenvolvimento Rural), que acaba de assumir a Coordenação a Câmara Setorial do Leite em Mato Grosso do Sul.

Adriana explica que pretende dar seqüência ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido “com muita eficiência” pelo último coordenador, Edgar Pereira. “Dando seqüência a este trabalho, espero que consigamos implantar os dois grandes projetos, as duas bandeiras que carregamos que é o Conseleite e o Leite Legal.”

Para Adriana, o crescimento do leite em Mato Grosso do Sul vai acontecer de qualquer forma, e se houver interesse da classe política e de todas as entidades envolvidas na cadeia produtiva, como as federações e a indústria, esse crescimento será fortalecido e acontecerá de forma estruturada. Nesse sentido um dos maiores objetivos do trabalho da Câmara Setorial, segundo Adriana, é uma maior profissionalização da pecuária de leite em MS. “Isto é possível. Nós temos competitividade e logística, fazemos divisa com um grande centro consumidor que é São Paulo, e temos também condições de produzir um leite barato, sendo que nossa produção é basicamente à pasto”, observa.

À frente da Câmara Setorial desde o dia 5 deste mês, Adriana destaca que, entre os principais desafios estão a busca de um relacionamento melhor entre indústria e produtor, produção de um leite com qualidade em todo o Estado e principalmente, a busca da competitividade para o pequeno produtor. “Esse vai ser meu maior desafio, o pequeno produtor precisa se organizar através de associações e cooperativas, para que ele possa se tornar realmente competitivo e tenha condições de ter uma remuneração melhor com seu produto”, defende Adriana.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados
EPICENTRO DA COVID-19
Brasil aproxima de 30 mil mortes pela Covid-19