Menu
ASSEMBLEIA DEZEMBRO 2021
sexta, 3 de dezembro de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Faltam medicamentos na área de Saúde Mental em Dourados

1 Dez 2009 - 10h22Por Dourados Agora
Pacientes que dependem de medicamentos controlados, o de tarja preta, estão tendo que recorrer à Defensoria Pública para assegurar o direito a remédio gratuito. Aqueles que não podem esperar estão desembolsando mais de R$ 100 a cada 20 dias, enquanto outros acabam ficando sem remédio, comprometendo o caso clínico e a saúde num todo. Irene Ramos de Castro toma antidepressivos duas vezes ao dia. O tratamento é contínuo e somente depois de dois meses conseguiu os remédios.

“Não foi por meio da Defensoria mais tive que “brigar” com os assessores do secretário de saúde para ter os dois medicamentos”, disse a paciente, que depois de várias tentativas recebeu os remédios na manhã de ontem.

Mas nem todas as pessoas tem a mesma sorte que Irene e ficam à mercê da saúde pública. A Secretaria de Assistência à Saúde Mental de Dourados mantém apenas um médico para atender os pacientes que sofrem de algum distúrbio mental ou psicológico. O profissional libera apenas quatro receitas médicas por dia, quando a demanda por remédios é bem superior ao atendimento oferecido pelo município. A secretaria chegou a ter três médicos, mas dois deles pediram demissão e não houve contratação para substituí-los.

Mesmo assim, os poucos pacientes com receita em mãos só estão conseguindo remédio via Defensoria Pública. Por ser de uso contínuo, eles não precisam passar por consulta médica e só retiram a receita a cada 20 a 30 dias. Como o atendimento é de apenas quatro pessoas, pacientes estão desistindo do tratamento médico.

Medicamento básico de combate a depressão, como o Cloridrato de Fluoxetina está em falta há mais de dois meses, segundo diz os pacientes que procuram a farmácia da saúde mental. O preço desse remédio varia de acordo com o fornecedor de laboratório, sendo encontrado nas farmácias convencionais entre R$ 35 a R$ 50, com 28 comprimidos. Recentemente a Secretaria Municipal de Saúde recebeu a remessa dos medicamentos licitados em pregão. Foram comprados R$ 1,1 milhão de remédios. A reportagem procurou, ontem, o secretário Mário Eduardo Rocha para esclarecer o problema na saúde mental, mas ele não foi encontrado.

Leia Também

ABUSO DE AUTORIDADE
PM arrasta homem negro algemado em moto; "Como na escravidão", diz gravação
REVOLTANTE
Índia de 13 anos violentada pelo avô busca ajuda e acaba estuprada por 4 em unidade saúde
DOENTIO
Mulher descongela geladeira e encontra corpo de bebê escondido em sacola
PONTE BIOCEÂNICA
Ponte Bioceânica vai ganhar nova data de lançamento; Bolsonaro e Marito participam
AÇÕES DO GOVERNO MS
Com estados da região Sul, Azambuja quer integração ferroviária e união para redução de carbono
PIX SAQUE
Pix Saque começa hoje:comércio vê nova ferramenta como chamariz para clientes,mas teme por segurança
TRAGÉDIA NA LINHA DO TREM
vítima comemorou aniversário do marido um dia antes de morrer com a filha em acidente com trem
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos
# PREVENIR É O REMÉDIO
Covid-19: Brasil registra 303 mortes e 12.126 casos em 24 horas
DESESPERO
Vídeo: veja momento em que calçada cede e pessoas caem em rio