Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 17 de abril de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Falta de chuvas já prejudica lavouras do Paraná

10 Set 2004 - 13h47
A falta de chuvas e a baixa umidade relativa do ar já estão prejudicando as lavouras do Paraná. Em algumas regiões foram registrados nos últimos dias índices de umidade inferiores a 20% - o tolerável é de 30%. A falta de umidade atrapalha o desenvolvimento das lavouras instaladas e impede o plantio, como no caso do feijão, já atrasado nas regiões norte, noroeste e sudoeste, e com lavouras perdidas em algumas áreas.

De acordo com o Departamento de Economia Rural da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Deral), além de afetar a cultura de feijão, a seca está atrasando o transplante de fumo, o plantio de mandioca e, em algumas regiões, o de milho. Os prejuízos se estendem ainda às lavouras de amoreira (bicho da seda) e cana-de-açúcar, que não conseguem se desenvolver.

Também foram registradas perdas de massa verde, as pastagens de inverno - a redução da comida para o gado pode afetar a produção de leite. Em algumas fazendas já há registro de perda de peso do rebanho.

Para o chefe da Divisão de Conjuntura do Deral, Luiz Roberto de Souza, são muitos os prejuízos decorrentes da falta de umidade. "Agosto é considerado o mês mais seco no Paraná, mas este ano as precipitações ficaram abaixo da média e mal distribuídas geograficamente no Estado", acrescentou o agrônomo, lembrando que em alguns municípios do norte e do noroeste não chove há mais de 40 dias e, mesmo que ocorra alguma preciptação logo, as lavouras já estarão sendo plantadas fora da melhor época recomendada pelos órgãos de pesquisa, o que pode prejudicar o desenvolvimento da planta.

Segundo Luiz Roberto, as imagens de satélite não apontam possibilidades de chuvas que possam reverter esse quadro nos próximos dias. A situação porém não é tão grave para as grandes lavouras de milho e de soja. Para elas ainda não há risco de prejuízos, uma vez que só começam a intensificar a plantação no início de outubro.

Ainda de acordo com o técnico do Deral, em situações como essas é necessário que o produtor tenha reserva de alimento para o gado, tanto em forma de silagem quanto em feno - "formas antigas de estocar alimento, mas às vezes esquecidas pelos pecuaristas" -, lembrou. Mesmo as pastagens nativas ou perenes estão com baixo desenvolvimento nessa época.

Outra preocupação da Secretaria da Agricultura são os riscos de queimada, já que os pastos estão secos, primeiro em decorrência de geadas e, agora, devido à seca.

 

 

Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIDEO CAPIVARA NA IGREJA
Capivara invade igreja: 'acho que ela veio rezar conosco', brinca Padre
BEBEDEIRA
Idoso conhece mulher, leva para casa é atacado a facadas
ROUBO DE CARGA
Três mil pessoas roubam carga de carne após carreta tombar e provocam novo acidente
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa credita 1ª parcela do Auxílio Emergencial nesta quinta para nascidos em maio
mulher carro beltrao 1 VIDEO
Mulher cai e fica ferida após ser flagrada em cima de carro em movimento
DESESPERADOR
Covid-19: Brasil registra 3.808 mortes em 24 horas
EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições