Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 3 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Evangélicos pagam 66,7% do dízimo do país

3 Mai 2007 - 05h40

O brasileiro está mais religioso. Essa é uma das conclusões da pesquisa "A Economia das Religiões: Mudanças Recentes", que a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou nesta quarta-feira (2). Para o levantamento, a FGV comparou dados do Censo e da Pesquisa de Orçamento Familiar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e entrevistou mais de 200 mil brasileiros sobre religiosidade e economia.

Segundo o levantamento, os católicos, embora representem 73,79% da população brasileira, respondem por 30,9% do total de dízimos - contribuições espontâneas para a igreja - pagos no país. A diferença acontece porque, embora o grupo represente 57,7% do total de contribuintes, as famílias doam, em média, 0,54% da renda.

Já os evangélicos pentecostais, que são 12,5% da população brasileira, são os que mais contribuem com o dízimo. Em média, esse grupo doa 2,26% da renda familiar, o que representa 44% do total de dízimos pagos. Com 5,4% dos fiéis, os evangélicos tradicionais representam o terceiro maior grupo religioso do país, mas somam 22,7% do total de dízimos pagos. Em média, o grupo contribui com 1,48% da renda familiar.


Juntos, evangélicos pentecostais e tradicionais doam 66,7% dos dízimos pagos no país.

 

 Divisão por renda

A pesquisa da FGV também apontou a renda média familiar por religiões. As famílias seguidoras de religiões orientais são as com maior renda média: R$ 5.447. Espiritualistas aparecem em seguida, com R$ 4.422. A renda dos católicos é apenas a sétima na classificação da FGV: R$ 2.023, à frente apenas daquela dos evangélicos pentecostais, com R$ 1.496.

 

As mulheres hoje são menos católicas que os homens. Somente 76,16% delas se dizem católicas, contra 79,49% deles. Esse espaço foi ocupado pelos evangélicos. O estudo aponta que uma das explicações é o número de pastores, quase quatro vezes maior do que o de padres. Os católicos ainda são maioria, 73,8% da população. E estão mais presentes entre os brasileiros pobres da zona rural e os mais ricos no meio urbano.

A pesquisa também revelou que a Igreja Católica parou de perder fiéis no Brasil. Na década de 1990, o número diminuía cerca de 1% a cada ano. A partir de 2000, não houve mais queda.

 

 

(Com informações do Jornal Hoje)

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados