Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Estudo mostra que a violência sexual é mútua entre namorados

28 Jan 2011 - 13h14Por

Na violência entre casais, frequentemente, a mulher é a vítima, é o que mostra os trabalhos realizados por instituições governamentais e outras entidades que se debruçam sobre o estudo do tema.

Porém, quando essa violência é estratificada por idade, percebe-se que entre a faixa de jovens, de 15 a 19 anos, de ambos os sexos, desempenham o papel de agressor e de vítima ao mesmo tempo, como mostra pesquisa feita na Fiocruz Pernambuco.

Diferente da maioria dos estudos existentes, no qual a violência é pesquisada apenas tendo um dos sexos como agressor ou vítima, o estudo Perpetração da violência sexual entre namorados adolescentes em Recife – PE: prevalência, padrão de direcionalidade e fator de associação abordou a mutualidade da violência entre casais de namorados.

A pesquisa considerou como violência sexual ações que vão desde a insinuação, passando eplo toque forçado, até o estrupo. A violência sexual foi um ato assumido por 67,3% dos 290 jovens namorados que participaram do estudo, como já cometido por ambos os parceiros.

No entanto, quando as ações são praticadas apenas por um dos namorados, vê-se que, isoladamente, os rapazes agridem mais (23,7%) do que as garotas (9%).

Os dados também mostram que a violência praticada pelas adolescentes se dá de forma mais moderada (47,7%), caracterizando-se, por exemplo, no tocar o outro contra a sua vontade. Entre elas, 20,8% cometeram atos leves, como tentar beijar o rapaz quando ele não desejava.

O ato leve foi o mais relatado pelos garotos em relação às garotas (79,2%). Já a ameaça de manter relação sexual forçada – considerada como grau grave - foi mais representativa entre os adolescentes do sexo masculino, 73,7%, contra 15,8% do sexo feminino.

Fatores de risco

Além da prevalência (número de casos antigos e novos) e da direcionalidade, a pesquisa realizada pelo biomédico Eduardo Bezerra, no mestrado em saúde pública da Fiocruz Pernambuco, avaliou os fatores de risco existentes na violência entre namorados jovens.

“Identificamos que o risco de um casal cometer violência é duas vezes maior quando ambos os parceiros não têm religião. O risco também dobra quando o local onde a violência é praticada é a comunidade”. Ele ressalta que outras questões também contribuem para o crescimento do risco da violência.

Entre aqueles que já bateram no companheiro, o risco de voltar a cometer esse ato foi 2,5 vezes maior. Já ter transado é um fator de risco três vezes maior para a prática da violência, comparando-se com aqueles que ainda não iniciaram a vida sexual. Não houve significância da violência com relação à cor, entre os jovens casais.

Na pesquisa foram ouvidos 290 adolescentes de 15 a 19 anos, de 11 escolas do Recife. Ter ficado, namorado ou mantido relações sexuais eram condições exigidas para participar do estudo. O trabalho foi orientado pela pesquisadora do departamento de Saúde Coletiva, Maria Luiza Carvalho.

Ele faz parte de uma pesquisa maior que investiga a violência entre namorados em dez capitais do Brasil, coordenada pelo Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves), da Fundação Oswaldo Cruz.(Agência Fiocruz de Notícias) 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro
PROVA DO ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério
SEUS DIREITOS
Trabalhador afastado por Covid-19 tem direito a auxílio-doença do INSS