Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Estudo comprova relação entre o tabagismo e a doença de Alzheimer

3 Nov 2010 - 11h44Por Ministério da Saúde

Além de câncer, pesquisadores descobriram que o tabagismo pode ser um fator de risco importante para o Alzheimer.

Uma pesquisa feita por cientistas da Finlândia revela: quem fuma muito na meia-idade, ou seja, entre os 50 e os 60 anos, pode aumentar em até duas vezes o risco de desenvolver a doença de Alzheimer e outras formas de demência.

Segundo Ricardo Meirelles, da Divisão de Controle do Tabagismo do Instituo Nacional de Câncer, vários outros estudos já mostraram essa tendência, o que, na opinião dele, só comprova mais uma vez os malefícios do cigarro.

"É mais um estudo científico que comprova o malefício do tabaco. Essa relação foi bastante controversa durante muito tempo, mas atualmente novos estudos que existem sim essa relação, que as pessoas que fumam, além de ter tantas outras doenças, podem apresentar um risco maior de ter alzheimer.

Então, são pessoas que quanto mais fumam, mais chances de ter esse adoecimento."

Ricardo Meirelles ressalta que o tabagismo em si é uma doença e pode ser a porta de entrada para vários outros problemas, como AVC, infarto, bronquite crônica, osteoporose e catarata.

Ele alerta que as pessoas mais velhas, fisicamente, já são mais frágeis, por isso, podem adoecer mais rápido com o fumo.

"É fundamental que ele deixe de fumar, porque às vezes a pessoa idosa pensa: "pô, já estou com 70 anos, estou fumando e não tive problema, por que eu vou parar agora?".

Não, se ele parar com essa idade ele vai melhorar sua qualidade de vida e mesmo que ele já tenha uma doença crônica, como uma enfisema pulmonar, um câncer, mesmo um alzheimer, ele parando de fumar, o tratamento vai ser mais eficaz que se ele continuar fumando."

O pneumologista do Inca lembra que quanto mais tempo a pessoa fumar, maiores são os riscos de desenvolver o Alzheimer e outras doenças.

Para chegar ao resultado, os pesquisadores da Finlândia analisaram dados de mais de 21 mil pessoas de 1978 a 1985, quando todas tinham entre 50 e 60 anos.

Anos depois, quando os voluntários tinham mais de 70 anos, descobriu-se que grande parte dos fumantes foram diagnosticados com algum tipo de demência, entre elas, o Alzheimer.(Ministério da Saúde)

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada