Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 11 de maio de 2021
Busca
Brasil

Estudo checa tratamento de resíduos na indústria da mandioca

15 Jul 2004 - 13h23
Uma pesquisa aprovada pela Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul), através do edital da Cadeia Produtiva da Mandioca, vai avaliar o tratamento dado aos resíduos líquidos produzidos nas indústrias de pequeno e médio porte que beneficiam a mandioca no Estado.

Coordenado pelo professor Carlos Nobuyoshi Ide, o estudo intitulado “Tratamento de Efluentes Líquidos de Fecularia e Biossistema Integrado para a Cadeia Produtiva da Mandioca” receberá financiamento de R$ 13,7 mil da Fundação, sendo executado durante dois anos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

De acordo com a pesquisadora Paula Loureiro Paulo, integrante do projeto, o objetivo principal é otimizar e incorporar o uso dos sub-produtos gerados na fabricação da fécula e da farinha da mandioca, em indústrias de pequeno e médio porte, além de investigar o tratamento pelo qual passam os efluentes antes de serem lançados no ambiente.

Paula lembra que a poluição causada pelo gerenciamento inadequado dos resíduos produzidos nas fecularias e farinheiras é bastante séria e já está presente em grande escala em Mato Grosso do Sul.
Inúmeros resíduos são produzidos no processo de extração do amido da mandioca. Porém, o mais poluente é o chamado “manipueira”, considerado bastante ácido e rico em matéria orgânica. Se for despejado em cursos d’água, ele pode provocar a morte de peixes e gado, além de afetar a qualidade da água, da fauna e flora e de provocar mau cheiro.

Conforme a pesquisadora, as farinheiras e fecularias do Estado, independente do porte, não tratam ou tratam precariamente os resíduos líquidos.

Através do estudo será feito ainda um levantamento das comunidades indígenas e dos assentamentos rurais que produzem o tubérculo em Mato Grosso do Sul. A intenção é investigar como são tratados os resíduos gerados com o beneficiamento da mandioca por essas populações. Paula Loureiro conta que em algumas comunidades a mandioca é descascada às margens de córregos e rios e as cascas são lançadas diretamente na água.

Estima-se que a execução do estudo trará benefícios, em especial, para as pequenas comunidades rurais. A meta é ensinar aos índios e assentados a melhor maneira de aproveitar todos os sub-produtos que a mandioca pode oferecer. Segundo Paula, os resíduos líquidos, por exemplo, após passar por tratamento para “purificação” poderão ser reutilizados para a produção de crustáceos e peixes, a serem consumidos pelas próprias comunidades produtoras de mandioca.
Outra alternativa é a produção de biogás através de um reator que faria o tratamento da “manipueira”.

Originária da América do Sul, a mandioca constitui um dos principais alimentos energéticos para cerca de 500 milhões de pessoas, sobretudo nos países em desenvolvimento, onde é cultivada em pequenas áreas com baixo nível tecnológico. Mais de 80 países produzem mandioca, sendo que o Brasil participa com mais de 15% da produção mundial.

Mais informações através dos telefones 351-2550 ou 9902-4830.
 
 
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto