Menu
SADER_FULL
domingo, 12 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Especialistas defendem debate sobre carreira escolar

15 Set 2004 - 17h42
A Comissão de Educação e Cultura da Câmara discutiu hoje, em audiência pública, o Projeto de Lei 837/03, do deputado Durval Orlato (PT-SP), que prevê a inclusão de assistentes sociais e psicólogos na estrutura das escolas. Os participantes da audiência foram unânimes em defender a ampliação do debate público sobre a proposta e destacaram a necessidade de submeter o projeto à analise do Conselho Nacional de Educação.

Achatamento salarial
Na opinião do diretor do Departamento de Desenvolvimento de Sistemas de Ensino do Ministério da Educação, Horácio dos Reis, a criação de novas carreiras para suprir a atual incapacidade de a escola lidar com os desafios decorrentes de problemas sociais, sem aprofundar a reflexão sobre as causas reais dessa incapacidade, tende a mascarar o problema. Segundo o diretor, "não seria equivocado afirmar que, mantidas as atuais condições do trabalho pedagógico, o impacto da criação de novas carreiras no quadro dos profissionais de educação seria inócuo".
Horácio dos Reis disse ainda que a proposta acarretará um achatamento salarial dos profissionais de Educação. Ele defendeu a necessidade de se realizarem estudos sobre a relação custo/benefício e a viabilidade financeira da adoção do projeto.
O diretor concorda com a necessidade de as escolas oferecerem serviços de psicologia e de assistência social, mas, em sua opinião, esses serviços deveriam ser oferecidos por meio de programas que já existem nas instituições de ensino, de forma a aproximar a escola da comunidade.

Evasão e repetência
A vice-presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Ana Terezinha Carneiro Naleto, defendeu a aprovação da proposta. Para ela, a inclusão desses profissionais na estrutura funcional da escola é importante, sobretudo, para enfrentar os maiores problemas da educação básica na opinião da convidada: a evasão e a repetência. Ana Terezinha vê o psicólogo e o assistente social como fundamentais para se resolver a questão.
O autor da proposta, Durval Olato, afirmou que o Estado precisa se organizar para combater os problemas sociais e comportamentais dos alunos nos casos em que a família, sozinha, não consegue administrar. "É ruim para a Nação que uma criança não queira continuar os estudos", analisou.
A equipe formada por psicólogos e assistentes sociais deverá apoiar os professores no trabalho de sala de aula e solucionar questões, como a violência que tem invadido o ambiente escolar. A primeira secretária do Conselho Federal de Serviço Social, Elisabete Borgianni, que defende a proposta, afirmou que o assistente social dará uma nova dinâmica ao processo pedagógico nas escolas.
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA CORONAVIRUS
Filho de ex-jogador famoso vende geleias e não vê o pai há nove anos
SOB INVESTIGAÇÃO
Maria Aldenir lutou com assassino, mas viu a filha ser morta com 24 facadas
AVANÇO DA PANDEMIA
Mais 903 casos e 33 mortes por coronavírus foram registrados em 24h em MT
BRASIL - 71.515 MORTES
Brasil tem 1.842.127 casos de Covid-19, aponta consórcio de veículos da imprensa em boletim das 8h
MAIS UM
Vírus com potencial pandêmico é detectado pela Fiocruz no Paraná
VÍTIMAS DE COVID-19
Mãe de médico morre horas após o filho e dois dias após o pai, vítimas da covid
VÍTIMA DE COVID-19
Covid tira de cena um dos últimos montadores do carro brasileiro
CD TRIBUTO AO PADRE ZEZINHO
No ano em Padre Zezinho faz 79 anos, Manoel Caires lança seu primeiro CD 'Tributo ao Padre Zezinho'
PAGAMENTO DO AUXILIO
Confira o calendário para saque em dinheiro do auxílio emergencial
AUXILIO EMERGENCIAL
Governo vai liberar mais 1,5 milhão de auxílios. Saiba como reclamar se o seu for negado