Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 26 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Energia da cana pode evitar o risco de apagão em 2009

25 Jun 2007 - 13h51

Um substancial alívio ao preocupante quadro de oferta de energia a partir de 2009 pode vir dos projetos de co-geração de energia a partir da queima do bagaço de cana. O boom do etanol, que tem levado à profusão de novos projetos de usinas por todo o país, está sendo acompanhado de investimentos em co-geração. Estima-se que hoje já seria possível adicionar entre 6 mil MW e 8 mil MW ao potencial instalado de geração de energia do país, considerando a moagem de 500 milhões de toneladas de cana-de-açúcar prevista para a safra 2007/08. Não é pouco. Equivale ao maior projeto de hidrelétrica na agenda do governo atualmente, a usina do Rio Madeira, que prevê potência instalada de 6,48 mil MW. 

"Todos os novos projetos de usinas, que somam US$ 15 bilhões em quase 90 unidades até 2012, já contemplam investimentos em co-geração de energia", afirma Onório Kitayama, consultor de energia da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica). Com esses novos projetos, o potencial de geração de energia passa a 11 mil MW. Segundo Carlos Roberto Silvestrin, vice-presidente executivo da Associação Paulista de Cogeração de Energia (Cogen/SP), entre 2007 e 2011 outros R$ 4 bilhões serão injetados no setor canavieiro. 

Hoje, praticamente todas as usinas de álcool e açúcar geram energia para o seu próprio consumo, mas somente 10% delas (de um total de 350 unidades) comercializam excedente no mercado. Assim, a negociação desse excedente alcança somente cerca de 1,7 mil MW.

Há ainda muita dúvida sobre a oferta de energia das usinas, principalmente pela sazonalidade da matéria-prima, já que o bagaço de cana é obtido no período da safra, entre maio e novembro de cada ano. Mas como há hoje a percepção, por parte dos usineiros, de que a geração de energia a partir da cana não é mais um subproduto e, sim, uma terceira fonte de negócios da usina, não só os empresários do setor estão investindo em caldeiras maiores, que geram mais vapor com a mesma quantidade de bagaço, como também já começam a pensar na estocagem do bagaço - o que na prática daria garantia de geração ao longo de todo o ano. Sinal do interesse das usinas é a fila de espera de pelo menos um ano para adquirir caldeiras e turbinas de alta pressão para incrementar a geração de energia.

 

 

RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos