Menu
SADER_FULL
sexta, 23 de abril de 2021
Busca
Brasil

Enchentes matam 160 e afetam 5 milhões no Sudeste Asiático

13 Jul 2004 - 10h50
Pelo menos 160 pessoas morreram e 5 milhões foram afetadas no Sudeste Asiático pelas maiores inundações dos últimos anos, provocadas por chuvas torrenciais que caem há um mês, declararam nesta terça-feira autoridades da região.

As inundações ameaçam também uma reserva natural do Estado de Assam, no nordeste da Índia. Rinocerontes, búfalos e elefantes estão fugindo do dilúvio.

Em Bangladesh, 2 milhões de pessoas estão isoladas pelas águas e já começam a faltar alimentos e água potável, enquanto as equipes de salvamento tentam chegar aos locais mais críticos, incluindo a capital, Dacca, que está ameaçada.

No nordeste da Índia, no Estado de Assam, outras duas pessoas se afogaram, o que eleva a 67 o número de mortos na região e a 101 em todo o país desde que começaram as chuvas.

Vítimas

Pelo menos 160 pessoas já morreram devido às inundações anuais no sul da Ásia, na Índia, Bangladesh e Nepal, segundo as últimas estatísticas.

"São as piores inundações dos últimos tempos em Assam", disse o primeiro-ministro do governo local, Tarun Gogoi. "Povoados inteiros foram arrasados pela correnteza", acrescentou.

Outra autoridade disse que há 3,7 milhões de desabrigados e 3.200 localidades inundadas, principalmente pela enchente do Brahmaputra, um dos cinco maiores rios do mundo.

"Fazemos tudo o que podemos para fornecer comida e medicamentos, mas é quase impossível atender aos milhões de vítimas das inundações", disse o ministro da Saúde de Assam, Bhumidhar Barman.

Animais

Os animais também não escapam. Nesta terça-feira, as águas atingiram a reserva de Kaziranga, um parque de 430 km² de superfície, situado a 220 km da capital de Assam, Guwahati, que conta com a maior população de rinocerontes unicórnios do mundo (1.600 de um total de 2.300), obrigando dezenas de animais a buscar refúgio em áreas mais seguras.

De acordo com agentes da proteção florestal, uma enorme superfície do parque está sob a água, enquanto rebanhos de elefantes, veados, búfalos e rinocerontes emigram para as colinas, tentando proteger-se.

Em Bangladesh, o número de afetados chega a pelo menos 2 milhões.

Algumas pessoas do distrito de Sylhet (nordeste) já estão ilhadas há seis dias, sem água potável nem comida.

A meteorologia prevê a situação deve piorar nas próximas 48 horas, afetando a capital, Dacca, e seus arredores.

No reino himalaio de Bhitan, várias pontes foram arrastadas e as linhas elétricas cortadas, segundo o Ministério de Relações Exteriores.

 

Folha Online


Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA EM CACHOEIRA
Mãe e filha morrem vítima de tromba d'gua em cachoeira; cunhado também morreu
ASSÉDIO À MENOR
Pastor é investigado após ser filmado beijando e oferecendo dinheiro a adolescente de 14 anos
UTRAPASSAGEM FATAL
Tio e sobrinho morrem "esmagados" por caminhão em rodovia
FATALIDADE
Bebê morre eletrocutado após morder fio de carregador de celular
AJUDA DO GPS
Após ficar 30h desaparecida, médica é encontrada em ribanceira com ajuda de GPS de celular
REVOLTANTE
A intérprete que descobriu na aula de Libras que pastor abusava de adolescente
BRASIL - 381.687 MORTES
Brasil passa de 380 mil mortes por Covid; mais de 3 mil delas foram registradas nas últimas 24 horas
BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19