Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 22 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Emissão de cheques sem fundo cresceu 42% no MS

19 Ago 2010 - 13h02Por Diário MS

A emissão de cheques sem fundo continua gerando prejuízos em Mato Grosso do Sul. No mês de julho, o rombo causado por cheques sem fundos na economia do Estado foi 42% maior que no mês de junho, conforme dados divulgados pelo Banco Central.

Juntas, as lâminas devolvidas somam R$ 154,7 milhões enquanto no mês de junho foram R$ 108,4 milhões. Em relação a julho do ano passado, os prejuízos foram ainda maiores, salto de 44%, comparado aos R$ 107,2 milhões em cheques devolvidos em julho de 2009.

Em número de folhas o aumento é de 33,46%, passando de 78,3 mil em junho para 104,5 mil em julho. O valor médio do cheque sem fundo é de R$ 1.480. Vale lembrar que no primeiro semestre deste ano, pelo menos R$ 846,6 milhões deixaram de circular na economia no Estado em virtude dos famosos cheques sem fundo. Conforme dados do Banco Central, nos primeiros seis meses do ano, 609,1 mil lâminas de cheque foram devolvidas em MS.

No ano passado, ainda segundo o Banco Central, os calotes em virtude dos cheques sem fundo chegaram a R$ 1,68 bilhão no Estado, o que corresponde a 1,27 milhão de lâminas devolvidas. O maior rombo da história foi registrado em 2008, quando R$ 1,74 bilhão deixaram de circular na economia local por conta dos cheques sem fundo.

Apesar da grande quantidade de cheques devolvidos, MS foi o quinto Estado com menor índice de cheques devolvidos no país. O Estado de São Paulo teve a menor taxa, com 14,1 cheques devolvidos a cada mil compensados, seguido do Rio de Janeiro (15,3) e Paraná (16,4) e Santa Catarina. Em MS, o índice de cheques devolvidos em julho atingiu 17,3 a cada mil compensações. O Estado do Amapá segue líder do ranking de cheques devolvidos, com 112,5 devoluções a cada mil compensações, seguido do Maranhão (97,1) e Roraima (94,1).

Em Dourados, o comércio também diagnosticou um aumento na emissão de cheques sem fundo durante o mês de julho. Um dos setores mais prejudicados é o de postos de combustível.
O empresário José Tarso Moro da Rosa, proprietário de dois postos de combustível na cidade, disse que apesar dos cuidados tomados pelos estabelecimentos os cheques sem fundos ainda são uma realidade no setor. Ele estima que apenas em julho o prejuízo com os cheques devolvidos tenha atingido R$ 200 mil, contra R$ 160 mil de junho.

Tarso informou, no entanto, que em outros oito postos de combustível ligados ao Sinpetro/MS (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos, Lubrificantes e Lojas de Conveniências de Mato Grosso do Sul) foi registrada em julho uma pequena redução no montante de cheques devolvidos, se comparado com junho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

No Brasil, diversos concursos públicos estão disponíveis. CONCURSOS
CRM-MS abre concurso com salários de até R$ 5 mil
 O empresário Eliel Moreira, seu Claudemir e sua família SOLIDARIEDADE
Amigos se unem e compram carro para catator de reciclagem
Cissa Amaral morreu no local e Sebastião Faria foi socorrido ACIDENTE FATAL
Enfermeira morre e policial civil fica ferido em acidente de moto
Lucas chegou a ser socorrido, mas morreu neste domingo FORAGIDOS
Jovem sai para buscar cachorro que escapou e é morto com 2 tiros
Os dois estão separados há dois meses e tem dois filhos juntos, os quais estavam morando com a mãe. TRAGÉDIA NA FAMILIA
Motorista da Energisa mata ex-mulher ontem e hoje comete suicídio
COVID-19 NO FUTEBOL
Flamengo tem 6 casos de covid-19, mas Conmebol não aceita adiar jogo da Libertadores
Tumulos quadruplicaram em maior parte dos cemitérios BRASIL - 136.895 MORTES
Saúde atualiza números da pandemia: Brasil tem 363 novos óbitos
Caixa com cenouras de boa qualidade 100 DESPERDÍCIOS
Governo cria Rede de Bancos de Alimentos para combater desperdício
Ainda de acordo com a atualização, 567.369 pessoas estão em acompanhamento e outras 3.753.082 se recuperaram. PANDEMIA
Covid-19: Brasil acumula 4,4 milhões de casos e 134,9 mil mortes
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa abre 770 agências amanhã das 8h às 12h