Menu
SADER_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Emissão de cheques sem fundo continua em queda

23 Set 2004 - 15h27
O número de cheques sem fundo emitidos no país registrou uma queda de 6,4% em agosto na comparação com julho. Ou seja, de cada mil cheques compensados, 14,6 foram devolvidos. O número é igual ao de junho, mês que apresentou a menor taxa de devoluções no ano.

De acordo com técnicos da Serasa, a queda é resultado da retomada do crescimento nacional, aumento da oferta de emprego, melhoria no salário e maior facilidade de empréstimos para trabalhadores. Números do Banco Central (BC) indicam que o total de crédito concedido para pessoa física cresceu 16,2% entre janeiro e julho deste ano.

Os índices permanecem em queda na comparação entre os oito primeiros meses de 2004 e o mesmo período do ano anterior. Em 2003, foram 15,9 cheques devolvidos para cada mil compensados. Este ano, o total de devoluções é de 15,7 por mil. Dados da Serasa indicam que uma queda nesse intervalo de tempo não ocorre desde 1999.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV