Menu
SADER_FULL
segunda, 14 de junho de 2021
Busca
Brasil

Em tom de comício no RJ, Lula e Cabral atacam Garotinho e César Maia

9 Mar 2010 - 05h30Por Uol

Durante inauguração na favela da Rocinha, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), criticaram nesta segunda-feira (8) os ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho (PR) e o ex-prefeito carioca Cesar Maia (DEM), oposicionistas a quem acusou de negligência com os mais pobres.

Defensor da candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), à Presidência da República, Cabral afirmou que os Garotinho – que apoiaram Lula no segundo turno das eleições de 2002, caminharam com a oposição em 2006 e desta vez sinalizaram em favor da petista – deixaram o presidente sem clima em seu primeiro mandato para visitar o Rio de Janeiro.

Maia, acusado por palacianos de ajudar a orquestrar a vaia durante a abertura dos Jogos Pan-Americanos de 2007, foi incluído no mesmo grupo pelo peemedebista, que também enfrentou dificuldades com o ex-prefeito e que tem em Anthony Garotinho um de seus principais adversários na tentativa de se reeleger neste ano. Aliado de Lula desde que se elegeu em 2006, Cabral apoiou o governador de São Paulo, José Serra, quando o tucano se candidatou à Presidência em 2002. Neste ano, vai com Dilma.

“O presidente estava muito traumatizado com o Rio de Janeiro, ao ponto de filha de governadora ir ao hotel onde ele ficava só para organizar vaia para ele”, afirmou Cabral, referindo-se à vereadora Clarissa Garotinho. “O prefeito da cidade só falava mal. O presidente não tinha ambiente no Rio. Ele disse a mim num palanque em Duque de Caxias em 2006 que se ganhássemos as eleições faríamos uma grande parceria. E é isso que estamos aqui para demonstrar, que somos parceiros.”

Cabral também acusou a ex-governadora Rosinha de se recusar a viabilizar investimentos do governo federal em favelas da capital fluminense. “A oposição tenta satirizar, mas falamos com muito orgulho: nunca na história do Rio de Janeiro tivemos um presidente que olhou tanto pelo Rio de Janeiro quanto o presidente Lula. E isso é porque hoje temos parceria nos governos federal, estadual e municipal”, afirmou o governador, referindo-se também ao prefeito Eduardo Paes (PMDB).

Depois de criticar a cobertura da imprensa às inaugurações feitas por ele e pela ministra Dilma, Lula disse que a cultura política do Rio de Janeiro mudou com as eleições de Cabral e Paes, ambos do PMDB. O partido é aliado preferencial do PT para compor a aliança em torno de Dilma para as eleições presidenciais deste ano, tendo Serra como provável adversário.

“Antes era diferente. O prefeito só ficava falando mal num blog. Nós não queremos mais gente assim. É preciso que a gente comece a ver as pessoas que pensam como a gente”, afirmou Lula. “Governar o Rio de Janeiro com um companheiro como este é fácil. O Sergio, depois de muitos anos, é o único governador que pensa carioca, age carioca e fala como se fosse carioca, tendo alma de carioca. Por isso que está funcionando”, discursou o presidente. Maia é cogitado para disputar uma vaga no Senado e seu filho é presidente do Democratas, de oposição ao governo.

Mãe do PAC
Na mesma favela onde recebeu o apelido de “mãe do PAC” (Programa de Aceleração do Crescimento), Dilma fez referência ao Dia Internacional da Mulher e às dificuldades que as mães da Rocinha vivem para afastar os filhos das drogas e da criminalidade. Caso seja eleita, ela será a primeira mulher presidente do Brasil

“Nós somos sem sombra de dúvida diferentes dos homens. Mas isso não significa que sejamos desiguais. O governo do presidente Lula tomou todas as medidas para construirmos uma sociedade em que homens e mulheres sejam companheiros”, afirmou a ministra, ao lado dos colegas José Gomes Temporão (Saúde), Marcio Fortes (Cidades), Orlando Silva (Esportes) e Franklin Martins (Comunicação Social).

“As mulheres têm características especiais. Elas são sensíveis, práticas e sensatas. As mulheres são fortes e corajosas. Aguentam sacrifício e a dor”, resumiu a ministra, que ouviu gritos de “Dilma presidente”. Ela também fez referência à reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”, segundo a qual teria inaugurado na Baixada Fluminense uma obra sem verba federal. De acordo com a petista, o governo arcará com custos da equipe do hospital da mulher Heloneida Studart.

O presidente também comentou a reportagem e criticou a imprensa porque “quase nenhuma obra que fazemos merece matéria. O que merece é uma gafe, um erro que a gente cometa ou uma coisa que não aconteceu”. Ele completou dizendo que aprendeu a fazer política na adversidade. “Não aprendi a fazer com ninguém puxando o saco. Todo mundo sabe que eu tenho o casco duro. Se dependesse de bordoada eu não estaria onde estou”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta