Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 28 de julho de 2021
Busca
Brasil

Em quatro anos, obesidade cresceu 22% no Brasil

25 Jun 2010 - 06h15Por
A falta de hábitos saudáveis tem feito à população brasileira crescer em número de pessoas obesas. Pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas, feita em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) foi divulgada esta semana pelo Ministério da Saúde e revela que quase metade da população brasileira tem excesso de peso (46,6%). As mulheres são as mais afetadas.
O estudo mostrou que o percentual de pessoas com excesso de peso aumentou de 42,7% para 46,6% entre 2006 e 2009. Do total de 54 mil adultos em todo o país que foram entrevistados pela pesquisa, entre os homens, 51% estão acima do peso, enquanto 42,3% das mulheres sofrem com o problema. A pesquisa verificou ainda que o percentual dos que sofrem de obesidade cresceu de 11,4% para 13,9% , no mesmo período.
Para a nutricionista Rita Mendes, coordenadora do curso de Nutrição da Unigran, este é um problema mundial. “O hábito de deixar de comer alimentos saudáveis para comer produtos industrializados é um dos principais fatores para o excesso de peso”, explica a professora. Preocupado com este problema que atinge a sociedade, a Unigran irá desenvolver tratamento personalizado com pessoas que sofrem da obesidade severa – quando o paciente está muito acima do peso e apresenta doenças.
A obesidade é definida como um distúrbio do metabolismo energético que leva a um excessivo ganho de gordura corporal e tem sido considerada como um sério problema de saúde pública, especialmente por estar associada a uma série de doenças graves como hipertensão arterial, cardiopatia, diabetes tipo 2, problemas pulmonares, aumento do colesterol e triglicérides e até mesmo câncer de estomago e próstata.
De acordo com a pesquisa, a maior prevalência de mulheres obesas está na faixa etária de 55 a 64 anos (21,3%). Porém, em um ano, a faixa etária de 18 a 24 anos foi a que concentrou o maior número de obesas. Em 2008, 3,5% das jovens com essas idades estavam obesas. Em 2009, o número quase dobrou.

TRATAMENTO
Com objetivo de proporcionar um tratamento sem medicamentos e incentivar a mudança do hábito alimentar e a prática de exercício físico, os cursos de Educação Física e Nutrição da Unigran vão promover o projeto de extensão “Tratamento não medicamentoso”, que atenderá pacientes com obesidade severa. Serão ofertadas de 10 a 15 vagas e a inscrição poderá ser feita no Núcleo de Nutrição da Unigran, no período vespertino. O Núcleo está localizado na Rua Antonio Emilio de Figueiredo, 1755, no centro de Dourados.
Será realizada uma entrevista com os interessados, onde será analisado o Índice de Massa Corporal (IMC), peso e disponibilidade do participante. O tratamento é gratuito e somente podem participar pacientes com obesidade severa. A equipe de Educação Física irá trabalhar como personal trainer e a de nutrição ficará responsável pela orientação alimentar e prescrição de dieta balanceada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas
CONCURSO PÚBLICO
Caixa Econômica convocará 9 mil de concursos e abre mais mil vagas
BRASIL - 550.502 MORTES
Covid-19: país ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos
COVID 19 NO BRASIL
Brasil registra 19,68 milhões de casos de covid-19 e 549,92 mil mortes
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'
COVID 19 NO BRASIL
Brasil tem 1 órfão por covid a cada 5 minutos: 'Pensamos que crianças não são afetadas, mas sim
SELEÇÃO OLIMPICA
Brasil ameaça passeio em estreia contra a Alemanha, mas desperdiça chance de goleada histórica