Menu
SADER_FULL
domingo, 16 de maio de 2021
Busca
Brasil

Em novembro, consumidor pagou 1% a mais pela cesta básica

6 Dez 2004 - 14h19
Os preços dos 15 alimentos necessários para a sobrevivência de uma pessoa durante um mês tiveram, em novembro, uma alta de 1,10% em relação a outubro. A cesta básica alimentar (individual) custou R$ 146,98 para o consumidor campo-grandense no mês passado.

A informação está no relatório da pesquisa da cesta básica divulgado nesta segunda-feira pela Seplanct (Secretaria de Estado de Planejamento e de Ciência e Tecnologia). A pesquisa da cesta básica é realizada mensalmente pela Seplanct em parceria com a Unaes - Faculdade Campo Grande.

A variação acumulada nos últimos seis meses é negativa (-3,50%), mas o comportamento dos preços nos últimos 12 meses e em 2004 aponta para variações positivas de 3,71% e 3,34%, respectivamente.

Em novembro, seis dos 15 alimentos analisados pela pesquisa registraram alta em seus preços. Ficaram mais caros no mês passado: feijão (25,29%), alface (11,26%), laranja (7,42%), pão (4,95%), açúcar (2,53%) e óleo (0,40%).

Sete outros alimentos ficaram mais baratos em relação a outubro: tomate (-16,70%), margarina (-7,39%), macarrão (-5,85%), arroz (-5,73%), carne (-1,44%) e batata (-1,22%). Segundo o relatório, os preços do leite e do sal não sofreram alteração no mês passado.

Cesta básica familiar – A Seplanct também divulgou nesta quarta-feira o relatório da cesta básica familiar. Diferentemente da cesta individual, que monitora preços de 15 produtos alimentares essenciais para a sobrevivência de uma pessoa ao longo de um mês; a cesta básica familiar mede o impacto de 44 produtos (32 alimentos, 5 produtos de higiene pessoal e 7 de limpeza doméstica) no orçamento de uma família de 5 pessoas com renda de cinco salários mínimos.

De acordo com o relatório, a cesta básica familiar também ficou mais cara em novembro 1,35%, chegando a R$ 718,15. Nos últimos 12 meses, os preços acumularam alta de 2,56%. No ano, o aumento foi de 1,84% e de 0,64% nos últimos seis meses.

Dos 44 produtos, 21 ficaram mais caros em novembro. A alta foi puxada pelo feijão (25,35%), pelo absorvente (20,15%) e pela cera em pasta (17,29%). Os preços de 20 produtos sofreram redução. As quedas mais expressivas foram nos preços da cebola (-28,09%), tomate (-16,64%) e abobrinha (-15,70%).

O coordenador de Estudos Sócio-Econômicos da Seplanct, Jocimar Lomba, atenderá jornalistas interessados em outras informações sobre os preços da cesta básica a partir das 14h desta segunda-feira. O telefone para contato é o 67-318-4020.
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada