Menu
SADER_FULL
sábado, 12 de junho de 2021
Busca
Brasil

Em declínio, FPM tem pior desempenho de todos os anos, diz Assomasul

4 Nov 2009 - 09h44Por Conjuntura

Se não bastasse o estado de “insolvência” da maioria das prefeituras de Mato Grosso do Sul, o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), uma de suas principais fontes de receita, continua em queda livre, registrando os piores repasses dos últimos anos.
 
O quadro é assustador e o risco de colapso financeiro é iminente, no momento em que os prefeitos estão se preparando para quitar as folhas de pagamento de dezembro e o 13º salário dos servidores públicos municipais.
 
Por causa da crise que se agrava a cada mês boa parte dos prefeitos decidiu apertar o cinto por meio de ajustes da máquina pública. Muitos decretaram contenção de despesas, com cortes em horas extras de servidores comissionados e secretários. Outros adotaram o meio expediente para atendimento ao público.
 
O mais recente comparativo divulgado pela Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) aponta que em outubro deste ano o repasse do FPM foi 13% inferior ao mesmo período do ano passado, ou seja, R$ 38.512.231,79 agora contra R$ 44.117.419,87 à época.
 
Para o presidente da Assomasul, prefeito de Terenos, Beto Pereira (PSDB), os números são desanimadores e não há por enquanto perspectiva de melhora em relação aos repasses constitucionais.
 
Beto Pereira atesta que o encolhimento dos repasses data a partir de julho deste ano quando as prefeituras repartiram R$ 37.462.163,93, o que representa menos 13% em relação ao mesmo mês de 2008.
 
Em agosto, segundo ele, o prejuízo foi maior ainda – menos 16%, sempre levando em consideração a igual período do ano anterior. O repasse totalizou R$ 43.574.995,51 contra os R$ 51.948.422,32 repassados à época.
 
De acordo com o comparativo, o quadro foi pior ainda em setembro último, quando o repasse do fundo constitucional registrou R$ 38.563.569,73, o equivalente a 17% inferior ao feito em idêntico mês do ano passado, quando o bolão rendeu R$ 46.354.679,24.
 
ICMS
 
O comparativo também aponta situação semelhante em relação ao ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), outra principal fonte de receita das prefeituras.
 
Em junho deste ano, a cota-parte a que as prefeituras têm direito na arrecadação do Estado foi de R$ 69.061.200,44 contra os R$ 77.243.081,98 repassados no mesmo período do ano passado, ou seja, uma diferença de 11% a menor.
 
Em julho, o repasse foi 16% inferior – R$ 65.733.664,94 contra R$ 78.487.081,59 do mesmo mês de 2008. Em agosto, R$ 65.632.126,76 contra R$ 73.860.961,76 – 18% a menos, enquanto que em setembro último foi de R$ 65.503.232,21, menor 16% em relação ao mesmo período de 2008, quando o ICMS totalizou R$ 77.928.356,04.
 
Os números mostram que em outubro deste ano o prejuízo foi idêntico ao mês anterior – menos 16%, ou seja, R$ 65.507.214,84 agora contra os R$ 72.624.032,00 repassados em igual período de 2008.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta