Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 20 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Em 7 meses, disque-denúncia recebe 3.494 ligações de mulheres agredida

3 Ago 2010 - 16h20Por Mídia Max (Com informações G1)

O serviço de denúncia Ligue 180, específico para receber queixas de violência doméstica contra a mulher registrou somente no Estado do Mato Grosso do Sul 3.494 ligações, no período de janeiro a julho deste ano. Segundo informações do IBGE de 2008, a população feminina no MS atinge 1.214.000, destas a cada 50 mil, 144 mulheres denunciaram as agressões.

A estatística que foi divulgada nesta terça-feira (3) pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, que criou a central em 2005, mostra que em todo o Brasil, o disque-denúncia, no primeiro semestre do ano, registrou um aumento de 112% de queixas comparando com o mesmo período do ano passado.

O Ligue 180 registrou 343.063 atendimentos nos sete primeiros meses de 2010 contra 161.774 nos mesmos meses de 2009.

Segundo o site G1, para o governo, o crescimento da busca pelo serviço "reflete um maior acesso da população a meios de comunicação, vontade de se manifestar acerca do fenômeno da violência de gênero, ao fortalecimento da rede de atendimento às mulheres e ao empoderamento da população feminina local".

Dos atendimentos registrados neste ano pelo telefone de denúncia, a maioria foi por crimes de lesão corporal. Em seguida, ameaças. Juntos, os dois tipos de queixas somaram 70% dos registros do Ligue 180. A Secretaria de Políticas para as Mulheres informou que esses crimes também são os mais registrados por mulheres nas delegacias.

Os dados mostram que o perfil de quem agride é semelhante com o de quem é agredida. A maioria das mulheres que ligou para a central tem entre 25 e 50 anos (67,3%) e nível fundamental de escolaridade (48,3%). Nas queixas, a maioria apontou que os agressores têm entre 20 e 45 anos (73,4%) e também nível fundamental de escolaridade (55,3%).

De acordo com a secretaria, das mulheres que registraram queixas, 72,1% vivem com o agressor, sendo que 57,9% são casadas ou têm união estável. Outros 14,7% denunciaram o ex-namorado ou ex-companheiro.

Considerando a quantidade de ligações por estado, São Paulo foi o que teve maior número de quiexas. Em segundo, Bahia e em terceiro lugar Rio de Janeiro. Quando a análise é feita considerando a quantidade de ligações a cada 50 mil mulheres de cada estado, o Distrito Federal fica em primeiro com 267 ligações a cada 50 mil mulheres. Em segundo, Tocantins, com 245 queixas e o Pará, com 237 fica em terceiro lugar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Caixa com cenouras de boa qualidade 100 DESPERDÍCIOS
Governo cria Rede de Bancos de Alimentos para combater desperdício
Ainda de acordo com a atualização, 567.369 pessoas estão em acompanhamento e outras 3.753.082 se recuperaram. PANDEMIA
Covid-19: Brasil acumula 4,4 milhões de casos e 134,9 mil mortes
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa abre 770 agências amanhã das 8h às 12h
Apesar do esforço médico a adolescente não resistiu. DESCARGA FATAL
Adolescente segura extensão de energia e morre após sofrer descarga elétrica
Assaltante magro está com um revólver na mão direito e boné na esquerda TERROR NA RODOVIA
Vídeo mostra ação extremamente violenta de ladrões em Rodovia
As imagens mostram que a vítima estava prestes a sair de moto VIOLENCIA NA CIDADE
Homem é flagrado agredindo e tentando atropelar a ex; veja vídeo
Bolsonaro autorizou estudos para a área. PROGRAMA ASSISTENCIAL
Após desistir do Renda Brasil, Bolsonaro autoriza criação de novo programa social
Bolsonaro com Ricardo Barros APREENSÃO
Gaeco cumpre mandado em escritório de Ricardo Barros, lider do governo Bolsonaro na Câmara
presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) AGORA
Maia testa positivo para Covid-19, informa assessoria do deputado
 Joice Pastre, 27 anos, morreu na última sexta-feira (11) GESTO NOBRE
Família doa órgãos de jovem que sofreu aneurisma cerebral