Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de outubro de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Eleitores dão "licença para roubar", diz jornal

3 Out 2006 - 08h27
Um editorial publicado nesta terça-feira pelo jornal espanhol ABC comenta o resultado da eleição de domingo no Brasil, afirmando que a quase vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no primeiro turno mostra que, "para os eleitores do Partido dos Trabalhadores, pouco importa a espessa nuvem de corrupção que faz sombra ao governo do líder brasileiro".

Para o jornal, "os partidos políticos se converteram em um manto acobertador de seus militantes em vez de serem atentos e rigorosos vigilantes da idoneidade política e moral de cada um deles".

"Aos eleitores não parece importar muito a decência de seus líderes e assim, juntando a fome com a vontade de comer, alguns protagonistas máximos da política se sentem de posse de uma ¿licença para roubar¿ equivalente à "licença para matar¿ que James Bond exibe em seus filmes", afirma o editorial.

Outro jornal espanhol, El País, também comentou o resultado eleitoral em um editorial, afirmando que Lula recebeu "um sério aviso" das urnas. "O presidente vai ter que mudar muitas coisas em sua estratégia para assegurar a reeleição neste mês", diz o texto.

Para o diário, "como não há diferenças programáticas fundamentais entre ambos os candidatos (Lula e Geraldo Alckmin), será a credibilidade de um e de outro a que resolverá finalmente a luta pela Presidência do gigante íbero-americano".

O editorial afirma ainda que "a sensação acumulada durante o último ano e meio de que tudo valia no Brasil, enquanto não se provasse uma conexão direta do favorito Lula com a corrupção, se dissipou bruscamente no domingo". "As urnas refletiram uma visão mais exigente da ética política", avalia o editorial.

Campanha perigosa
Reportagem do diário americano The New York Times diz que Lula esperava até o último momento uma vitória no primeiro turno, mas "ele estava equivocado, e agora enfrenta o que promete ser a campanha mais cansativa e potencialmente perigosa de sua longa carreira, contra um concorrente que ele e muitos outros menosprezavam".

O texto, que em seu título diz que a base de apoio a Lula "pode virar areia", diz que o segundo turno, que Lula "nem queria nem esperava", "promete ser extraordinariamente disputado e cheio de contrastes".

"As diferenças não são tanto de idéias - ambos os partidos vêm lutando pelo mesmo espaço de centro-esquerda desde que Lula moveu-se para o centro para ganhar em 2002 -, mas de personalidade e estilo político", diz o Times.

O Wall Street Journal, por sua vez, avalia que no segundo turno Lula não terá como evitar o confronto, como fez no primeiro turno. "Ele desprezou os debates com outros candidatos e fez campanha principalmente dentro de sua base de eleitores de baixa renda, que apoiavam os programas sociais do governo e a figura de homem comum de Lula".

O jornal econômico observa que os mercados financeiros tiveram um dia positivo no Brasil na segunda-feira, após a votação inesperada de Alckmin. "Enquanto o esquerdista sr. da Silva se mostrou um responsável administrador fiscal da economia, o sr. Alckmin é visto pelos investidores como tendo uma proposta mais clara para encolher o Estado e estimular o crescimento".

O diário francês Le Monde também comenta os efeitos da eleição sobre os mercados. "Os programas de PT e PSDB não são muito diferentes, e o desafio eleitoral não parece preocupar os mercados financeiros, diferentemente de 2002, quando a possibilidade de eleição do antigo sindicalista provocou uma verdadeira tempestade", diz o texto. Para o jornal, porém, "as quatro semanas de campanha entre o primeiro e o segundo turnos vão paralisar o governo e aumentar a polarização".

Kirchner apreensivo
Os principais jornais argentinos relatam em suas edições desta terça-feira a apreensão do governo argentino com relação às eleições no Brasil.

Segundo o diário La Nación, "a Casa Rosada (sede do governo argentino) reagiu ontem com doses iguais de cautela e inquietude sobre o resultado das eleições no Brasil, mas os principais membros do governo de Néstor Kirchner confiam que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ganhará no segundo turno".

De acordo com a reportagem, o presidente argentino aposta na vitória de Lula por considerar que as relações entre os dois países passam por um bom momento. "Do ponto de vista do governo, a permanência do presidente brasileiro no poder permitiria afiançar a aliança estratégica da Argentina com o Brasil em um Mercosul que enfrenta múltiplos curto-circuitos", diz o texto.

Segundo o diário Clarín, "Kirchner havia apostado bastante em Lula, a quem no governo consideram "mais previsível" do que Alckmin". "Não é segredo a boa relação entre a Chancelaria e o Itamaraty e, de fato, a relação entre Kirchner e seu colega brasileiro melhorou muito desde o fim do ano passado".

O jornal diz ainda que alguns oposicionistas argentinos procuraram traçar paralelos entre a eleição brasileira e o cenário político argentino, onde Kirchner é favorito para ser reeleito no ano que vem.

O diário econômico El Cronista Comercial, por sua vez, avalia que "o destino do Mercosul e da liderança regional estão em jogo no segundo turno no Brasil". O jornal avalia que o governo Lula mantém seu apoio ao bloco regional e à Argentina contra a vontade do "establishment industrial" representado pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), considerada mais próxima a Alckmin.

Em relação à disputa pela liderança regional, o jornal considera que "ainda que Lula ganhe no segundo turno, a redução de seu cacife político favorecerá a influência de Hugo Chávez, que com a força dos petrodólares, de discursos incendiários e da chegada ao poder de aliados como o presidente boliviano, Evo Morales, foi reduzindo o papel de líder regional que quase naturalmente ostentam os presidentes do Brasil".

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA