Menu
SADER_FULL
terça, 18 de maio de 2021
Busca
Brasil

Economia informal movimenta R$ 578 bi e equivale ao PIB da Argentina

21 Jul 2010 - 14h48Por Folha Online

A economia informal movimentou R$ 578 bilhões no Brasil em 2009, o equivalente a 18,4% do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país), aponta pesquisa divulgada pela FGV (Fundação Getulio Vargas) e pelo Etco (Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial) nesta quarta-feira.

A cifra corresponde ainda a um valor próximo ao PIB da Argentina. O resultado da participação de economia subterrânea do país, que compreende a produção de bens e serviços não reportados ao governo, mostra um avanço em relação a 2003.

Naquele ano, os R$ 357 bilhões registrados representavam 21% do PIB. Na conversão para valores de 2009, essa cifra saltaria para R$ 523 bilhões.

Segundo os pesquisadores, o que explica esse aumento é uma base maior do PIB - quase dobrou no período -, ou seja, o valor movimentado pela economia subterrânea pouco se alterou, porque a renda do brasileiro também subiu.

De acordo com o pesquisador do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV, Fernando de Holanda Barbosa Filho, uma das variáveis que mais contribuiu para a queda na participação da economia subterrânea em relação ao total foi a busca pelo crédito. Isso significa que empresas e trabalhadores preferem arcar com o custo da formalização para ter acesso a financiamentos.

Uma melhora no sistema de fiscalização no pagamento de tributos e o crescimento de pequenas empresas também contribuíram para a queda no percentual.

Para se chegar ao nível da economia subterrânea, os pesquisadores fazem cálculos baseados na demanda de moeda e número de trabalhadores informais, além de outras variáveis.

OUTROS PAÍSES

De acordo com Barbosa, o nível da economia não contabilizada ainda está aquém do ideal, mas já mostra avanço. A análise é feita com base no índice médio observado em países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em que a movimentação subterrânea representa cerca de 10% do PIB.

Já os países emergentes apresentam índice médio de 30% de toda a riqueza circulando fora do circuito formal da economia.

"Em geral uma grande saída (para diminuir o percentual) seria reduzir a carga tributária e a burocracia", aponta Barbosa. Ele acredita que a tendência de queda na economia subterrânea se mantenha pelos próximos anos no Brasil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NO HARAS
Vaqueiro morre ao ser arrastado por boi durante vaquejada, em Paranatama; veja vídeo
Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho