Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 5 de março de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Dourados vai jogar 300 mil medicamentos no lixo

21 Jan 2011 - 10h46Por Diário MS

Os usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) continuam enfrentando dificuldades quando precisam de medicamentos em Dourados. Chegam a faltar desde remédios da rede básica, como o omeprazol, ibufrofeno e paracetamol, até controlados como o propranolol e a prednisona. Mas, enquanto algumas compotas estão vazias na farmácia municipal e dos postos de saúde, cerca de 300 mil unidades serão descartadas porque passaram do prazo de validade, antes mesmo de sair do estoque.


Os remédios vencidos foram encontrados durante um levantamento feito no almoxarifado da Central de Abastecimento Farmacêutico da prefeitura, de onde saem os medicamentos que são distribuídos às farmácias públicas. “Esses foram os que nós conseguimos identificar e tiramos do estoque. Alguns estavam vencidos desde o ano passado”, afirmou o diretor da Central, Racib Panage Harb.


O material já está em local separado dos que serão distribuídos às farmácias municipais e passa por avaliação para saber quais foram os tipos de medicamentos retirados. “Aqui deve ter uma média de 200 a 300 mil unidades, tem de tudo, nós ainda estamos catalogando”, afirma o diretor. A quantia será levada para a vigilância sanitária, que deve acompanhar o despejo dos remédios vencidos na vala séptica reservada ao lixo hospitalar, no aterro sanitário.


Para o diretor, o desperdício foi ocasionado pela falta de planejamento da gestão anterior, do ex-prefeito Ari Artuzi. “No caso da saúde mental, por exemplo, eles compravam muito do que precisava pouco e pouco do que precisava muito”, explicou Harb. Foram encontradas pelos gestores da central entre os documentos, comunicações internas encaminhadas para a secretaria de saúde alertando falta de remédio, a maioria resultou em compras emergenciais.


Com os documentos em mãos, a direção constatou que a última compra grande de medicamentos foi feita em Dourados no ano de 2009 e seria suficiente para suprir a demanda da cidade em um ano. A gestão de Artuzi teria adquirido mais medicamentos em 2010 usando termo aditivo, que permite a obtenção de mais 25% do volume acertado em contrato. O mesmo motivo teria resultado na falta de alguns medicamentos que existem hoje nas farmácias do SUS.


FALTA REMÉDIO


O diretor admite que “falta medicamento, não tem como negar, e deve faltar mais uma vez ou outra, principalmente àqueles que a demanda é muito grande”, afirma Harb. Ele lembra que a situação deve se amenizar nos próximos dias, com a chegada dos remédios de uma dispensa de licitação feita em novembro. A expectativa é de que a quantia que hoje enche os estoques seja suficiente para abastecer as farmácias nos próximos dois meses, tempo que deve levar o processo licitatório que está em fase de elaboração para uma compra anual de produtos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 UTI = OBITO
Ministério da Saúde prevê 3 mil mortes por dia por covid-19 nas próximas duas semanas
TRISTEZA NA FAMILIA
'Não tem UTI,amo vcs':a história por trás do tuíte viral que revela mensagens de mãe morta por covid
DISPARO ACIDENTAL
Assessor em fazenda do cantor Leonardo morre vitima de tiro acidental
VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento