Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 8 de maio de 2021
Busca
Brasil

Dormir pouco pode aumentar os riscos de depressão na adolescência

6 Set 2010 - 16h16Por Portal da Educação
É comum encontrar jovens com muitas atividades durante o dia e quase não ter tempo de descansar, e até mesmo, dormir direito. Uma descoberta colombiana pode ajudar os pais e tomar cuidados em um sintoma do filho que pode apresentar depressão: ir para cama tarde e não dormir.

De acordo com a pesquisa da Universidade Colúmbia, nos Estados Unidos, a depressão é 24% mais comum em adolescentes que têm permissão para ir para a cama tarde que em jovens cujos pais exigem que se recolham mais cedo.

O resultado foi a análise de dados dos voluntários de dois tipos: aqueles que se deitavam muito tarde e dormiam, em média, sete horas e meia por noite. Para o grupo dos que se recolhiam mais cedo, oito horas e dez minutos, em média. A análise partiu da interpretação do “horário de dormir imposto pelos pais”, como o oposto de “contar horas de sono”, para descartar a possibilidade de que a depressão estava fazendo alguns jovens dormir menos, e não o contrário.

De acordo com a tutora do Portal Educação, psicóloga Denise Marcon, é possível notar que os adolescentes sentem mais sono do que as pessoas adultas. “Devemos levar em consideração ao analisar a questão do sono, que os adolescentes estão em fase de transformação e que gastam muita energia no seu dia a dia, exigindo deles novas adaptações devido às descobertas presentes na sua faixa etária”, completa Marcon.

Mas pesquisas que comprovam a ideia de que poucas horas de sono podem levar à depressão são inúmeras. Uma delas é da Universidade de Londres, onde indicou que crianças com insônia estão mais sujeitas a desenvolver o transtorno na adolescência. Outro estudo de cientistas de Pittsburgh mostrou que, o indicador biológico de recuperação, isto é, não sofrer de depressão, era o sono adequado.

De acordo com especialistas, a falta de ânimo e predisposição genética ou ambiental para a falta de sono pode apresentar um risco maior do que a depressão propriamente. Isso porque, experimentos realizados no Centro Médico Walter Reed do Exército e na Universidade da Califórnia em Berkeley, estão começando a esclarecer essa relação. Durante ressonâncias magnéticas, pessoas saudáveis, mas com privação de sono apresentou aumento de atividade na amígdala, órgão cerebral envolvido no processamento das emoções, e redução de atividade no córtex pré-frontal – as mesmas alterações observadas em pessoas deprimidas.

“Como os adolescentes sofrem muitas pressões na vida cotidiana ─ cada vez mais complicada ─, eles precisam de mais horas de sono que crianças ou adultos; assim, não dormir direito pode se transformar em um problema”, diz o psicólogo William D. Scott Killgore, da Escola de Medicina de
Harvard, do Hospital McLean.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo