Menu
SADER_FULL
sábado, 30 de maio de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Dólar volta a fechar no menor valor em 6 anos

25 Abr 2007 - 16h13

Apesar da atuação do Banco Central, o dólar voltou a fechar no menor valor em seis anos nesta quarta-feira, derrubado pelo fluxo cambial positivo e pelo desempenho positivo dos mercados externos.

A moeda norte-americana encerrou a R$ 2,021, com baixa de 0,69%. É o menor valor desde 20 de fevereiro de 2001.

"Grande parte disso é fluxo. O BC entrou com o leilão (de swap cambial reverso), mas o lote não foi tão grande", disse Mario Battistel, diretor de câmbio da corretora Novação.

Na primeira metade da sessão, o BC anunciou o leilão de cerca de US$ 400 milhões em contratos de swap reverso, que funcionam como uma compra futura de dólares. Ao contrário do que ocorreu nas últimas operações, a cotação do dólar intensificou a queda após o anúncio.

Nesta quarta-feira, o BC deixou de informar antecipadamente os chamados dealers - instituições autorizadas a intermediar operações diretamente com o BC - sobre o leilão, de acordo com um operador de câmbio e um gerente de duas dessas instituições. A estratégia aumenta a imprevisibilidade dos leilões.

Perto do fim da sessão, o BC comprou dólares em leilão no mercado à vista, mas a moeda norte-americana manteve a trajetória de queda.

Battistel aponta outro motivo para o movimento do câmbio. "Lá fora, as principais moedas estão se valorizando frente ao dólar... como a gente tem o fluxo positivo acaba caindo mais."

Dados sobre a economia dos Estados Unidos provocavam a queda do dólar nos mercados estrangeiros, que assistiram a um dia positivo das bolsas de valores em meio a fortes lucros corporativos. Em Wall Street, o índice Dow Jones superou pela primeira vez a marca de 13 mil pontos.

Fluxo contínuo
Segundo dados do BC, o País registrou saldo positivo nas transações correntes - que incluem a balança comercial e despesas com serviços - de US$ 1,694 bilhão no primeiro trimestre. Na conta financeira, que inclui os investimentos e as operações de arbitragem, o País teve saldo positivo de US$ 21,929 bilhões nos três primeiros meses do ano.

Sidnei Nehme, diretor-executivo da corretora NGO, aponta que na conta financeira há "US$ 13,3 bilhões oriundos de financiamentos ao comércio exterior, basicamente tomados por exportadores para antecipar receitas de suas vendas e importadores para postergar seus pagamentos".

Segundo ele, as operações financeiras, atraentes com o diferencial entre o juro doméstico e as taxas praticadas no mercado internacional, tiram o dólar "do que seria a valorização normal como em todos os países emergentes".

"Com essa diferença de taxa (de juro)... não adianta o BC fazer todas essas estratégias", afirmou.

O juro básico brasileiro é de 12,50% ao ano.

 

 

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

FRIO, AR SECO E COVID-19
Frio, ar seco e covid-19, 'vassourinhas' do sistema respiratório ficam preguiçosas com o frio
ESCALADA DE ENTERROS
Brasil aproxima de 26 mil mortes por covid 19
ESTUPRO
Homem é preso em flagrante tentando estuprar mulher desacordada
AUXILIO EMERGENCIAL
A 2ª parcela do auxílio de R$ 600 foi cancelada? Saiba como resolver o problema
CORONAVIRUS NO BRASIL
Covid-19: Brasil passa dos 400 mil casos confirmados e 25 mil mortes
MORTES CONTINUAM
Brasil é o 2º país no mundo com infectados com o coronavirus
FRAUDE
URGENTE! 160 mil possíveis FRAUDES no auxílio emergencial de R$600
COVID-19
URGENTE! Zezé Di Camargo e Luciano testam positivo para a Covid-19
BONITO - MS - COVID-19
Pandemia faz empresas demitirem 29% dos funcionários do setor de turismo de Bonito (MS)
VITIMA DA COVID 19
'Mãe' de Jojo Todynho morre de Covid-19