Menu
SADER_FULL
terça, 18 de maio de 2021
Busca
Brasil

Dólar fecha em queda e pouco acima de R$ 2,70

3 Dez 2004 - 16h04

O dólar comercial fechou em queda nesta sexta-feira, a R$ 2,707 para compra e R$ 2,709 para venda, uma baixa de -0,87% em relação ao fechamento de quinta-feira. A moeda recuperou-se ligeiramente de uma queda que a fez ser negociada, logo no começo da tarde, a menos de R$ 2,70 - marca considerada uma "barreira psicológica" e a mais baixa desde junho de 2002.

No seu momento de menor valor nesta sexta, a moeda norte-americana foi cotada a R$ 2,693 para compra e R$ 2,695 para venda no câmbio comercial. A queda em relação ao fechamento de ontem era de -1,39%, às 14h30 desta sexta.

A moeda dos EUA havia fechado a primeira etapa dos negócios nesta sexta com desvalorização de 0,91%, cotada a R$ 2,704 para compra e R$ 2,708 para venda.

O movimento de queda na cotação nesta sexta-feira está ligado à divulgação de que a criação de postos de trabalho nos Estados Unidos foi menor que a esperada em novembro. O anúncio da reabertura do bônus de 2014 pelo governo brasileiro também fez o dólar acentuar sua queda.

O Brasil reabriu o bônus global com vencimento em 2014, e pretende captar cerca de US$ 500 milhões, de acordo com fontes do mercado. Segundo o Banco Central, os bancos JP Morgan e Morgan Stanley irão coordenar a operação.

"A emissão mostra que tem demanda lá fora por títulos da dívida brasileira, e isso é sempre positivo", afirmou Jorge Kattar, responsável por derivativos do Rabobank.

"Barreira psicológica"
Às 12h30, a divisa norte-americana chegou a ser vendida a R$ 2,70, em queda de 1% sobre o fechamento da véspera. A expectativa, que depois se confirmou, era de que no período da tarde o dólar comercial ultrapassasse para baixo desse valor.

Antes da divulgação do índice norte-americano de emprego, o dólar estava praticamente estável, vendido a R$ 2,725, mas logo em seguida exibiu grande volatilidade e chegou a R$ 2,713.

"O índice saiu abaixo da expectativa e não deu outra, o dólar caiu. Esse era o índice que estava segurando o mercado, que esperava um número forte, mas decepcionou", disse Hideaki Iha, analista de mercado da corretora Souza Barros.

A economia norte-americana abriu 112 mil postos de trabalho em novembro, abaixo da expectativa média de economistas ouvidos pela Reuters de 180 mil. A taxa de desemprego recuou para 5,4% em novembro, ante 5,5% em outubro.

No mercado externo, o dólar também recuou frente ao euro, que saltou para o ponto mais alto da sessão com a divulgação dos números de emprego.

Para Jorge Knauer, gerente de câmbio do banco Prósper, "os dados indicaram um aquecimento não tão grande da economia norte-americana, teve uma queda dos Treasuries (títulos do Tesouro norte-americano) de 10 anos e consequentemente levou a uma venda maciça de dólar futuro".

"A venda foi mais concentrada no dólar futuro, mas o futuro caindo, o mercado à vista logicamente se ajustou", disse Knauer.

Operadores disseram ainda que o recuo do risco Brasil também contribuía para a valorização do real.

Nesta manhã, o risco-país, medido pelo banco JP Morgan, caía 4 pontos, para 408 pontos-básicos sobre os títulos do Tesouro norte-americano, depois de ter recuado a 399 pontos-básicos.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NO HARAS
Vaqueiro morre ao ser arrastado por boi durante vaquejada, em Paranatama; veja vídeo
Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho