Menu
SADER_FULL
domingo, 16 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Dólar fecha em alta de mais de 1,5% nesta segunda-feira

26 Out 2009 - 16h14Por G1

O dólar comercial começou a semana em alta, fechando com valorização de 1,51% a R$ 1,739 nesta segunda-feira (26).

O pregão foi de volatilidade, no entanto, com a moeda oscilando entre o terreno negativo e positivo antes de encerrar em alta. No exterior, o dólar subiu em relação a várias moedas nesta segunda-feira, movimento que impediu que o mercado voltasse a ameaçar o piso de R$ 1,70.

Em outubro, porém, a queda acumulada da moeda norte-americana é de 2,14%.

Durante a manhã, o dólar tinha queda, alimentado pela expectativa de um fluxo consistente de capital para o país. Mas, no meio do dia, os negócios foram prejudicados por um problema nos sistemas da BM&FBovespa.

Na volta das operações, os agentes se depararam com uma situação cada vez menos favorável a aplicações em ativos de risco.

O movimento no exterior era justificado como um ajuste provocado pela cautela de investidores em aprofundar ainda mais a queda do dólar no começo de uma semana repleta de indicadores relevantes, como a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no terceiro trimestre. 

No Brasil, os bancos são os agentes com as maiores apostas na queda da moeda norte-americana, com US$ 6,68 bilhões em posições vendidas nos mercados futuro de dólar e cupom cambial na sexta-feira. Os estrangeiros estão na ponta inversa, com mais de US$ 5 bilhões em posições compradas (aposta na alta do dólar).

"Os não-residentes (estrangeiros) estão bastante comprados. Então qualquer coisa no mercado que eles achem que pode interferir é motivo para essa volatildade", disse o operador de câmbio de uma corretora nacional, que preferiu não ser identificado.

Além disso, embora a maioria dos agentes avalie que a tendência para a moeda norte-americana ainda é de queda, o comentário de vários profissionais de mercado é que, após a adoção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre capital estrangeiro, a postura do governo também impõe um componente de incerteza.

"Isso causa uma certa preocupação, efetivamente", disse André Sacconato, economista da Tendências Consultoria. "(O governo) não fechou a caixa de ferramentas."

Leia Também

TEMPORAL - VIDEO
Forte chuva derruba árvores e deixa 23 mil pessoas sem energia
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 175 novos óbitos, totalizando 620.971
TRAGÉDIA
Deslizamento de terra destroi casarão histórico em Ouro Preto MG
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai, mãe e três filhas morrem em capotamento de caminhão
BIG BROTHER
Saiba quem foram os ex-BBBs que já morreram; 3 estiveram no BBB9
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil tem 87,4 mil casos e 133 mortes em 24 horas
HOMICIDIO EM SÉRIES
Bandido que comia olhos, orelhas e bebia sangue de vítimas é preso
COVID NO BRASIL
Brasil tem em 24 horas, mais 70.765 novos casos de covid-19
FAMILIA GRANDE
Mãe dá à luz quíntuplos em maternidade de São Paulo
joao 5 39 examinais as escrituras 2_3 LIÇÕES DA BIBLIA
Por meio Dele Deus fez o Universo