Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 25 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Dólar fecha com terceira alta seguida, a R$ 1,73

12 Nov 2009 - 16h40Por Terra

O dólar subiu pela terceira sessão consecutiva nesta quinta-feira, espelhando ajustes no mercado internacional após uma sessão de volatilidade. A moeda americana avançou 0,99%, para R$ 1,739. Apesar da sequência de altas, o dólar ainda acumula baixa de 0,97% em novembro.

O comportamento do mercado local foi definido, como nos últimos dias, pelo exterior. Em relação a um índice com as principais moedas, o dólar subia 0,6%, às 16h25 (horário de Brasília), com o euro abaixo de US$ 1,49.

Ativos considerados de mais risco, como ações e commodities, se desvalorizavam.

A principal justificativa no mercado global de câmbio era técnica. Segundo operadores, em um dia de agenda esvaziada, a queda dos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos favoreceu ajustes de alta para o dólar.

Na metade do dia, quando as bolsas esboçaram uma subida e o dólar reduziu a alta no exterior, a moeda americana chegou a cair levemente, registrando baixa de 0,29% na mínima em relação ao real.

No Brasil, a pressão de alta vinda do exterior se aliou à sensibilidade do mercado a possíveis medidas do governo para tentar reduzir a valorização do real, que já é de mais de 30% no ano.

Em outubro, o governo passou a cobrar 2% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) na entrada de capital para bolsa e renda fixa. Outros países também avaliam medidas para combater o excesso de liquidez provocado pelo barateamento do crédito na luta pela recessão.

Na opinião do banco de investimento Goldman Sachs, as especulações sobre uma nova intervenção do governo têm freado a atividade do mercado. "Acreditamos que a mudança no fluxo financeiro líquido reflete a incerteza acentuada sobre o que o governo fará agora a respeito dos fluxos de capital", avaliou o economista Paulo Leme em relatório.

Na semana passada, houve a saída de US$ 1,388 bilhão do País, em termos líquidos.

Na noite de quarta-feira, o Banco Central definiu que os instrumentos financeiros vinculados a empréstimos captados no exterior terão que ser registrados.

"A medida em si não tem efeito muito grande no mercado", disse o gerente de câmbio de um banco nacional, que preferiu não ser identificado. Tem "mais um efeito psicológico, que é a gente saber que o BC está estudando alternativas de maior regulamentação no mercado."

Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora, chamou a decisão de "aperfeiçamento normativo no mercado financeiro".

"Poderíamos definir a medida como um choque de transparência na caixa preta dos derivativos", completou, fazendo em seguida uma menção às perdas registradas por algumas empresas por causa de instrumentos cambiais no auge da crise global, no ano passado.

Sadia, Aracruz e Grupo Votorantim, por exemplo, somaram bilhões de dólares em prejuízos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada