Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 9 de agosto de 2022
SADER_FULL
Busca
Brasil

Dólar fecha acima de R$ 1,75, mas tem queda no mês

30 Out 2009 - 16h31Por Invertia

A instabilidade no exterior ofuscou fatores internos e empurrou o dólar acima de R$ 1,75 nesta sexta-feira, encerrando uma semana de intensa volatilidade com alta acumulada de 2,45%. A moeda americana terminou o dia a R$ 1,756, com valorização de 1,44% nesta sessão. Ainda assim, o dólar registrou desvalorização de 0,96% em outubro, e acumula queda de 24,7% no ano.

Desde segunda-feira, o dólar tem reagido mais à turbulência internacional do que a aspectos internos. A principal dúvida do mercado é se a volta do crescimento nos Estados Unidos, confirmada na quinta-feira, pode se sustentar sem os estímulos concedidos pelo governo.

Outro motivo de preocupação está no setor financeiro, origem da crise. Nesta sexta-feira, um analista da Calyon previu baixas contábeis de US$ 10 bilhões no Citigroup no quarto trimestre, o que reascendeu o alerta em um setor que tenta se mostrar em boas condições.

De acordo com analistas, o mercado de câmbio deve seguir alarmado com qualquer sinal vermelho vindo do exterior. Mas, se a situação se arrefecer, os fatores de longo prazo continuam a pesar a favor da queda do dólar.

"Os fatores técnicos são favoráveis à valorização do real, e o fluxo da conta financeira e de capital continua firme", avaliou o banco francês BNP Paribas em nota. "Na próxima semana, entre emissões de bônus e ofertas de ações, teremos cerca de US$ 2,5 bilhões a ser liquidados."

Em outubro, o país registrou até o dia 23 a entrada líquida de quase US$ 13 bilhões, mais da metade de todo o fluxo positivo do ano. Isso suscitou a reação do governo com a cobrança de 2% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) na entrada do capital estrangeiro em ações e renda fixa, em uma tentativa de frear a queda do dólar.

O imposto teve pouco efeito na avaliação da maior parte dos profissionais de mercado, mas criou alguma incerteza a respeito de outras medidas similares. Mesmo assim, Roberto Padovani, estrategista-chefe do banco WestLB do Brasil, avalia que a tendência do dólar é de queda.

"(O IOF) cria uma incerteza, e isso diminui o risco de apreciação (do real). Mas a trajetória está dada, não é afetada", disse, acrescentando que a taxa de câmbio pode voltar a ameaçar o nível psicológico de R$ 1,70.

Gabriel Aguilera, operador de câmbio da corretora Flow, tem opinião semelhante. "O dólar continua com fluxo, e o real com uma demanda muito grande. Se o mercado acalmar essa volatilidade, tende a vir dinheiro para ativos com maior risco", avaliou.

Leia Também

TENTATIVA DE ASSASSINATO
Coroinha é esfaqueado no pescoço durante missa em igreja
AUXILIO CAMINHONEIRO
Caixa libera consulta ao Auxílio Caminhoneiro
VAMOS AJUDAR - COMPARTILHE
Casal que adotou 3 irmãos autistas vítimas de maus-tratos comove internautas
DESUMANIDADE
Polícia interdita casa de repouso por tortura e sequestro de idosos
DENUNCIADO POR VIZINHOS
Mãe e filho são executados e corpos escondidos dentro de sofá velho jogado em lote baldio
AUXILIO BRASIL
Governo amplia Auxílio Brasil e mais 23,7 mil famílias vão receber em MS
ASSASSINATO
Campeão mundial de jiu-jitsu, Leandro Lo morre após levar tiro na cabeça
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 261 óbitos e 40,4 mil casos em 24 horas
LENDA DO HUMORISMO
Jô Soares morre em São Paulo aos 84 anos
A CONTA GOTAS
Petrobras anuncia corte de R$ 0,20 no preço do diesel