Menu
SADER_FULL
quarta, 23 de junho de 2021
Busca
Brasil

Dólar fecha acima de R$ 1,75, mas tem queda no mês

30 Out 2009 - 16h31Por Invertia

A instabilidade no exterior ofuscou fatores internos e empurrou o dólar acima de R$ 1,75 nesta sexta-feira, encerrando uma semana de intensa volatilidade com alta acumulada de 2,45%. A moeda americana terminou o dia a R$ 1,756, com valorização de 1,44% nesta sessão. Ainda assim, o dólar registrou desvalorização de 0,96% em outubro, e acumula queda de 24,7% no ano.

Desde segunda-feira, o dólar tem reagido mais à turbulência internacional do que a aspectos internos. A principal dúvida do mercado é se a volta do crescimento nos Estados Unidos, confirmada na quinta-feira, pode se sustentar sem os estímulos concedidos pelo governo.

Outro motivo de preocupação está no setor financeiro, origem da crise. Nesta sexta-feira, um analista da Calyon previu baixas contábeis de US$ 10 bilhões no Citigroup no quarto trimestre, o que reascendeu o alerta em um setor que tenta se mostrar em boas condições.

De acordo com analistas, o mercado de câmbio deve seguir alarmado com qualquer sinal vermelho vindo do exterior. Mas, se a situação se arrefecer, os fatores de longo prazo continuam a pesar a favor da queda do dólar.

"Os fatores técnicos são favoráveis à valorização do real, e o fluxo da conta financeira e de capital continua firme", avaliou o banco francês BNP Paribas em nota. "Na próxima semana, entre emissões de bônus e ofertas de ações, teremos cerca de US$ 2,5 bilhões a ser liquidados."

Em outubro, o país registrou até o dia 23 a entrada líquida de quase US$ 13 bilhões, mais da metade de todo o fluxo positivo do ano. Isso suscitou a reação do governo com a cobrança de 2% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) na entrada do capital estrangeiro em ações e renda fixa, em uma tentativa de frear a queda do dólar.

O imposto teve pouco efeito na avaliação da maior parte dos profissionais de mercado, mas criou alguma incerteza a respeito de outras medidas similares. Mesmo assim, Roberto Padovani, estrategista-chefe do banco WestLB do Brasil, avalia que a tendência do dólar é de queda.

"(O IOF) cria uma incerteza, e isso diminui o risco de apreciação (do real). Mas a trajetória está dada, não é afetada", disse, acrescentando que a taxa de câmbio pode voltar a ameaçar o nível psicológico de R$ 1,70.

Gabriel Aguilera, operador de câmbio da corretora Flow, tem opinião semelhante. "O dólar continua com fluxo, e o real com uma demanda muito grande. Se o mercado acalmar essa volatilidade, tende a vir dinheiro para ativos com maior risco", avaliou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

APOSTAS NO BRASIL
É legal apostar em esportes no Brasil?
CRIME BRUTAL
Mulher é encontrada morta com rosas, uma aliança nas mãos e frase cruel escrita na testa
TRAGEDIA
Casal é encontrado morto no banheiro com o chuveiro ligado
VEJA VÍDEO
Servidora não deixa lençol sujar com sangue de bandido e viraliza na internet
LUTO NA TV
Apresentador do Balanço Geral morre vítima da covid
COPA AMÉRICA
Com mudanças, Brasil encara Colômbia para garantir liderança do grupo
JOGOS ONLINE
Expectativas para legalização de jogos de azar movimenta mercado internacional
Policial
Criança de 6 anos sofre trauma de crânio após cair de atração no Beto Carrero World
DOSE ÚNICA
Avião com 1,5 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz ministro
REAÇÃO CERTEIRA
Mulher flagra filha sofrendo estupro e esfaqueia pedófilo