Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 28 de julho de 2021
Busca
Brasil

Dólar fecha a R$ 1,68, após nova ação do Tesouro

6 Out 2010 - 15h59Por Folha Online

O governo voltou à carga para tentar conter a queda das cotações da moeda americana, desta vez ampliando o limite de compras de dólares pelo Tesouro Nacional. O valor do dólar comercial reagiu e chegou a oscilar perto dos R$ 1,70, um patamar de preços perdido há uma semana.

Pela manhã, os preços da moeda americana chegaram a bater R$ 1,66, mas subiram rapidamente para R$ 1,67 e R$ 1,69 (a cotação máxima do dia), à medida em que o mercado absorvia a nova medida governamental. O Banco Central também atuou, comprando o excesso de moeda por meio de seus dois leilões diários.

Nesse cenário, o dólar comercial finalizou o expediente sendo vendido por R$ 1,682, o que representa um acréscimo de 0,41% sobre o fechamento anterior. Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo foi cotado por R$ 1,790 para venda e por R$ 1,620 para compra.

Ainda operando, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) sofre perdas de 1,27%, aos 70.375 pontos. O giro financeiro é de R$ 7,66 bilhões. Nos EUA, a Bolsa de Nova York tem leve alta de 0,04%.

A taxa cambial cedeu em sete dos últimos dez dias úteis, num reflexo da tendência predominante no mercado de câmbio doméstico. Analistas avaliam que o viés desses preços segue a tendência mundial de enfraquecimento do dólar, num contexto em que a economia americana segue claudicante. Há expectativas de que o banco central dos EUA (o Federal Reserve) lance uma nova rodada de estímulos monetários (injeção de recursos no sistema financeiro), que podem contribuir ainda mais para o recuo das cotações.

No entanto, é praticamente um consenso entre os agentes financeiros de que o governo brasileiro ainda não esgotou seu arsenal para influenciar a trajetória do dólar. Nas mesas de operações, entre as hipóteses discutidas estão a retomada dos notórios contratos de "swap" reverso, ou novas formas de tributação do capital estrangeiro.

Mas há poucas expectativas de que o governo efetivamente deter essa tendência. Hoje, o BC informou que, em setembro, a conta financeira do país teve a maior entrada de dólares (já descontados os resgates) desde 1982, início da série histórica. Foram US$ 16,7 bilhões, o que a autoridade monetária contrabalançou com US$ 10,8 bilhões em compras, valor também recorde.

Por conta dessas transações, as reservas internacionais do país já estão próximas do patamar histórico de US$ 280 bilhões.

JUROS FUTUROS

No mercado futuro de juros, que serve de referência para o custo dos empréstimos nos bancos, as taxas projetadas subiram com mais intensidade nos contratos de prazo mais longo.

No contrato para novembro deste ano, a taxa projetada foi mantida em 10,64% ao ano. No contrato para janeiro de 2011, a taxa prevista permaneceu em 11,65%; e no contrato para janeiro de 2012, a taxa projetada avançou de 11,39% para 11,44%.

Os números são preliminares e estão sujeitos a ajustes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas
CONCURSO PÚBLICO
Caixa Econômica convocará 9 mil de concursos e abre mais mil vagas
BRASIL - 550.502 MORTES
Covid-19: país ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos
COVID 19 NO BRASIL
Brasil registra 19,68 milhões de casos de covid-19 e 549,92 mil mortes
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'
COVID 19 NO BRASIL
Brasil tem 1 órfão por covid a cada 5 minutos: 'Pensamos que crianças não são afetadas, mas sim
SELEÇÃO OLIMPICA
Brasil ameaça passeio em estreia contra a Alemanha, mas desperdiça chance de goleada histórica