Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 9 de maio de 2021
Busca
Brasil

Dólar despenca para menos de R$ 2,70

3 Dez 2004 - 15h06
O dólar comercial já é vendido abaixo de R$ 2,70. Às 14h35m, a moeda era cotada a R$ 2,692 na compra e R$ 2,694 na venda. É a menor cotação desde 17 de junho de 2002, quando fechou em R$ 2,664 na venda. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) continua em alta nesta tarde de sexta-feira. Às 15h43m, o Ibovespa subia 1,13%, para 25.485 pontos. O volume financeiro chegava a R$ 894 milhões. A bolsa paulista acompanha o mercado americano, que também opera positivo.

O mercado cambial acompanha o movimento mundial, de desvalorização do dólar em relação a outras moedas como o euro. A desvalorização da moeda americana é reflexo do déficit público dos Estados Unidos, além do déficit em transações correntes, que é o saldo saldo negativo entre o envio de dinheiro para o exterior e a repatriação de recursos.

BOVESPA - As ações mais negociadas eram Telemar PN, carro-chefe da Bovespa, Petrobras PN e Vale do Rio Doce PNA. Entre as altas estavam Eletrobras PNB (5,2%), Eletrobras ON (5%) e Ipiranga Pet PN (4,5%). Caíam Telesp Celular PA PN (2,1%), Tele Leste Celular PN (1,5%) e Embraer PN (0,9%).

Em Nova York, o índice Dow Jones tinha há pouco alta de 0,26% e Nasdaq elevação de 0,47%. Os mercados não reagiram muito bem à notícia de criação de apenas 112 mil vagas de emprego nos Estados Unidos em novembro, abaixo da expectativa do mercado, de abertura de 200 mil postos. Os dados podem influenciar a próxima decisão do Federal Reserve (Fed) sobre os juros americanos.

JUROS - No Brasil, os juros futuros, que no início do dia apresentavam alta, apontam trajetórias diferentes. O Depósito Interfinanceiro (DI) de janeiro e de março de 2005 apresentavam estabilidade, em 17,47% e 17,77%, respectivamente. O DI de abril do ano que caía de 17,89% para 17,88% e o de julho apresentava redução de 17,98% para 17,97%. A taxa básica de juro no Brasil, que subiu três meses consecutivos, está em 17,25% ao ano.

RISCO - O risco-país, medido pelo banco J. P. Morgan, estava às 13h30m em 407 pontos, três pontos a menos em relação ao fechamento de quinta-feira. Os títulos brasileiros subiam há pouco. O C-Bond, principal título negociado no exterior, tinha alta de 0,37%, a 101,12% do valor de face. O Global 40 apresentava alta de 1,53%, para 116% do seu preço.

- O dólar e o risco-país são puxados pela queda dos treasuries (títulos do tesouro americano) nos Estados Unidos, que abriram pressionados nesta sexta-feira, mas já apresentam redução depois que o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulgou a criação de apenas 112 mil vagas de emprego no país, menos que a esperada pelo mercado - afirmou Newton Rosa, economista-chefe da Sul América Investimentos.

A expectativa do mercado era que fossem criadas pelo menos 200 mil vagas nos Estados Unidos. A taxa de desemprego ficou em 5,4%, mesmo nível de outubro. A recuperação ou não do mercado de trabalho nos EUA é sinal importante porque mostra a retomada do crescimento da maior economia do mundo e a trajetória dos juros americanos.
 
Globo Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo