Menu
SADER_FULL
sexta, 23 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Dólar cai 0,55% mas acumula alta de quase 1% na semana

15 Out 2004 - 16h09
O dólar encerrou a sexta-feira com baixa de 0,55%, a R$ 2,857 na venda. Na semana, porém, a moeda acumulou alta de 0,98%.

Uma das principais preocupações da semana foi a trajetória do preço do petróleo no mercado internacional, que continua subindo e registrando sucessivos recordes.

Os negócios foram prejudicados também durante esta semana pelo feriado nos EUA (Dia de Colombo), na segunda-feira, e no Brasil (Nossa Senhora Aparecida), na terça-feira.

Na segunda-feira, quase todos os mercados funcionaram nos EUA, mas não houve negociação com títulos de dívidas, o que deixou o Brasil sem referência. Com os feriados, há uma queda no volume de negócios.

Para Jorge Kattar, do banco Rabobank, depois de duas altas consecutivas, é normal que o dólar recue. De acordo com ele, o mercado está buscando um novo patamar para a moeda.

Na mínima do dia, o dólar foi negociado hoje a R$ 2,853 (baixa de 0,69%) e, na máxima, a R$ 2,896 (alta de 0,80%).

O discurso do presidente do Fed (Federal Reserve, BC norte-americano) foi considerado "leve" e "otimista" por alguns analistas.

Greenspan disse, entre outras coisas, que a atual disparada nos preços do petróleo terá menos impacto na inflação do que os choques ocorridos nos anos 70.

O executivo destacou que os preços de hoje representam apenas cerca de 60%, em termos reais, do pico atingido em 1981.

Mas, segundo ele, se o petróleo continuar subindo as conseqüências, certamente, serão negativas. "É evidente que os riscos de conseqüências negativas se intensificarão se os preços do petróleo aumentarem de maneira significativa", disse.

Para Greenspan, a economia global irá se ajustar à recente alta do petróleo, por meio do aumento da exploração e produção e com o ganho da eficiência dos combustíveis derivados do petróleo.

Petróleo

O petróleo, no entanto, bateu mais um recorde hoje. O barril do produto cru para entrega em novembro, negociado na Bolsa Mercantil de Nova York, atingiu hoje o recorde absoluto de US$ 55 pouco antes do encerramento da sessão desta sexta-feira.

Ao fechar, o preço cedeu um pouco e ficou em US$ 54,93, alta de 0,31% e novo recorde para um fechamento.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos