Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Dólar abre a semana em baixa de 0,31%, cotado a R$ 2,846

18 Out 2004 - 09h04

O dólar à vista abriu em baixa de 0,31% nesta segunda-feira, sendo negociado por R$ 2,846 na compra e R$ 2,848 na venda. No mercado de títulos da dívida externa, o C-Bond opera em alta de 0,18%, cotado a 99,31% do seu valor de face. O risco-país brasileiro recua 0,86%, aos 460 pontos-base.

A contar pelo comportamento do petróleo neste início de dia, a commodity deve continuar no centro da atenções dos mercados em todo o mundo. O barril de petróleo atingiu novo recorde na bolsa de futuros de Nova York, superando os US$ 55. Com a aproximação do inverno no Hemisfério Norte e o aumento da demanda por derivados de petróleo, a commodity deverá continuar a gerar volatilidade e dúvidas.

O destaque no Brasil nesta semana é a reunião mensal do Copom (Comitê de Política Monetária), que acontece na terça e quara-feira. O mercado futuro está posicionado para uma elevação de 0,25 ponto percentual na taxa Selic, hoje de 16,25% ao ano. O petróleo, mais uma vez, é uma das principais variáveis que justificam a aposta dos analistas, já que o Banco Central busca calibrar a inflação e garantir o cumprimento da meta para 2005.

As boas notícias do cenário interno continuam a acontecer. Além da desaceleração da inflação medida pelos índices de inflação mais importantes, o fluxo cambial tende a se manter positivo. As exportações continuam vigorosas e as captações externas se mantêm ativas. Na semana passada, três instituições financeiras voltaram a captar recursos no exterior. O Safra obteve US$ 100 milhões em títulos de três anos. Outras operações devem ser fechadas este mês, segundo informam as mesas dos bancos.

Com os ingressos de recursos ao país, a tendência é o dólar amortecer boa parte do nervosismo dos mercados nos momentos mais críticos. A procura por proteção cambial continua baixa e a oferta garante suprimento a importadores ou outras empresas com compromissos no exterior. Por conta da baixa demanda por dólares, o Banco Central tem deixado de renegociar suas dívidas atreladas ao câmbio, reduzindo sua exposição ao risco de oscilações do dólar.


Globo On line

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV