Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 27 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Dívida milionária vinha sendo denunciada por empresário desde 2006

6 Set 2010 - 15h20Por MS Já
O empresário douradense Elizio Brites afirmou a redação do Jornal MS JÁ que o esquema de corrupção na prefeitura de Dourados vem sendo denunciado desde 2006, com a Ação Popular conhecida como o caso Cobracon. O valor da ação, no entanto, seria de R$ 53 milhões e deve, hoje, ultrapassar R$ 90 milhões.

Segundo informações de Brites, o prefeito de Dourados, Ari Artuzi, sabia que o precatório é fantasma, ou seja, “que nunca entrou um único centavo nos cofres da prefeitura”. Acontece que, mesmo assim, ele queria negociar uma dívida de R$ 200 milhões da Prefeitura com o banco Pontual, que estaria em fase de liquidação. Assim, negociariam a dívida com um escritório de advocacia de São Paulo para baixar a R$ 30 milhões e, a partir daí, conseguir a devolução de R$ 10 milhões, para a próxima campanha de Artuzi, em 2012.

“Eu mesmo o coloquei a par e ele com seus assessores constataram isso, dessa forma se estava tentando levantar R$ 10 milhões para sua campanha como denuncia o jornalista Eleandro Passaia na Operação Uragano, com certeza trata-se de mais uma falcatrua entre tantas outras apontadas”, enfatizou Brites.

De acordo com os relatos de Brites, o dinheiro do suposto empréstimo era para a construção da sede da prefeitura (O CAM) e que teve repercussão quando o engenheiro Paulo Figueiredo, inconformado, contratou advogados para ajuizar a Ação Popular conhecida como caso CAM e anulou em grau de apelação no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. “Recurso Extraordinário que, inicialmente, foi negado seguimento, mas através de um agravo hoje se encontra nas mãos do ministro Joaquim Barbosa no STF - Supremo Tribunal Federal”.

Brites diz ainda que ninguém foi punido até a presenta data e que apenas Figueiredo sofreu sanção. Além disso, ele diz que o engenheiro pagaria uma dívida aos verdadeiros culpados. “Mais um absurdo que precisa ser denunciado publicamente”, afirma.

O empresário enfatiza que o banco Pontual em tese não tem mais nada a receber desse montante (precatório) porque cedeu a totalidade de seus créditos para uma empresa fantasma que nem sede tem, denominada Cobracon, cujo endereço que consta na Receita Federal é uma cidadezinha do sertão do Ceará e não tem telefone para contato.

“Coloco-me à disposição da Policia Federal para prestar todos os esclarecimentos necessários e fornecer os documentos que comprovam toda essa roubalheira do dinheiro do contribuinte”, concluiu Brites.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso